Descaso e prejuízo

Tenho uma empresa de locação de carros blindados e verifiquei com um atendente da Embratel, companhia da qual sou cliente desde 2007, quais eram os procedimentos necessários que eu teria de fazer antes de mudar de endereço. Ele garantiu que o número do telefone seria mantido e o processo de mudança levaria dois dias. Porém, após a companhia já estar instalada no novo endereço, a empresa informou que o prazo poderia ser de até 360 horas, ou seja, mais de 15 dias úteis para realizar uma mudança de alguns metros de distância. É um verdadeiro absurdo, pois a outra linha, que também é banda larga, da Telefônica, foi reinstalada no novo endereço em dois dias! Fiz o pedido de transferência na Embratel em 29 de abril e ainda não obtive resposta. Trata-se de uma linha comercial fundamental para o atendimento e fechamento de negócios. Durante todo esse tempo, cobrei uma posição da Embratel, mas somente escuto que tenho de aguardar o prazo. Não é possível ir ao escritório da Embratel porque a empresa alega que todo contato tem de ser feito por telefone. Irônico, não? Se não houvesse a necessidade de manter o mesmo número de telefone, já teria trocado de operadora. PHILLIPE BALBISão PauloA Assessoria de Imprensa da Embratel esclarece que já providenciou a alteração de endereço do serviço e que a solicitação será acompanhada com prioridade até ser concluída. O cliente está ciente dos procedimentos adotados.O leitor comenta que a demora prejudica sua empresa e que a Embratel só responde que ele tem de "aguardar o prazo".Em obrasAs empreiteiras que executam os serviços de asfalto e acabamento das ruas em torno do ponto de ônibus no Largo da Batata, em Pinheiros, deveriam esclarecer os cidadãos sobre os projetos porque nós, que pegamos coletivos, estamos perdidos com a bagunça atual. Também deveriam explicar como serão, no futuro, com os pontos de interligação com o metrô.AYRTON BOND SILVASão PauloCrédito de MilhasFiz uma viagem ao Recife pela GOL/Varig, mas não foram creditadas as milhas no programa Smiles, do qual participo. Reclamei, mas só obtive a resposta que seriam tomadas as devidas providências.CARLOS AUGUSTO F. SARAIVABarueri A Central de Relacionamento com o Cliente GOL informa que creditou as milhas na conta Smiles do leitor sr. Saraiva. Vai fazer quatro meses No dia 16 de fevereiro enviei uma reclamação à Prefeitura de São Paulo sobre o ineficiente semáforo entre as Ruas José Ramon Urtiza e Nelson Gama de Oliveira, na Vila Andrade. A queixa foi enviada à CET, mas até o momento não houve nenhum tipo de solução para o grave transtorno causado pela má sinalização do referido farol. A Rua José Ramon Urtiza possui muitos prédios residenciais e é uma via de grande movimento, pois interliga a Marginal do Pinheiros com a Avenida Giovanni Gronchi. Os carros que vêm da Marginal do Pinheiros não conseguem visualizar o farol para virar à direita na Rua Nelson Gama de Oliveira e param, inadvertidamente, atrapalhando aqueles que o querem fazer. Os motoristas mais afoitos, sem qualquer tipo de constrangimento ou de consideração buzinam ininterrupta e desmedidamente a qualquer hora do dia ou da noite (até mesmo de madrugada), causando um imenso transtorno. SANDRA PETROSINO DA ROCHA São PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, esclarece que a Rua José Ramon Urtiza, junto da Rua Nelson Gama de Oliveira, possui semáforo com fase de seta à direita para os veículos que trafegam no sentido Dona Helena Pereira de Morais/Avenida Giovanni Gronchi. Explica que a rua também tem sinalização horizontal com as legendas de solo "Só com seta à direita" e "Devagar, sinal adiante". Tal sinalização será reforçada para garantir maior visibilidade e fluidez ao tráfego, além de segurança aos usuários. A leitora comenta que espera a CET cumpra com o prometido.Moradores de rua Finalmente alguém na Prefeitura começou a entender as necessidades dos moradores de rua de São Paulo. A Tenda do Parque D. Pedro é apenas um embrião, mas é um bom começo. Entendo que o ideal seria um enorme galpão no centro, com milhares de metros quadrados, dotado de infraestrutura adequada. Uma parte do Parque da Luz poderia ser utilizada. HAROLDO LOPESSão PauloAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.