Descoberta distribuidora clandestina de gasolina adulterada

A polícia de Araraquara, na região de Ribeirão Preto, descobriu e desativou uma distribuidora clandestina de gasolina, que tinha um tanque com capacidade para cerca de 100 mil litros, na madrugada de quarta-feira. No local era fabricada a gasolina, com cerca de 5% do combustível verdadeiro misturado com cerca de 70% de solvente, além de álcool anidro e corantes. O produto era levado para Mato Grosso e região oeste de São Paulo, além de outra região que a polícia evita comentar para não atrapalhar as investigações. As notas fiscais frias eram feitas no posto de combustíveis de Cordeirópolis, perto de Campinas. Ninguém foi preso em flagrante. Segundo o delegado Geriel Dal Ri, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), de Ararquara, a distribuidora funcionava entre quatro e cinco meses numa antiga garagem de transportadora, que tinha sido alugada. No momento da blitz policial, três motoristas pernoitavam no local, também um ponto de descanso. Eles tinham notas fiscais legais de álcool que seriam entregues durante o dia. Os três serão incluídos como testemunhas no caso, pois sabiam da irregularidade da distribuidora, mas não têm responsabilidades, já que não fabricavam o produto adulterado e seus veículos só transportam álcool. Entre 15 mil e 20 mil litros de gasolina adulterada foram encontrados no local, no Distrito Industrial 2. O tanque está escondido e, para acessá-lo, são necessários transpor duas passagens secretas. A polícia encontrou ainda bombas e outros equipamento e os produtos químicos usados na adulteração, todos apreendidos. Segundo Dal Ri, pelo menos cinco pessoas estão diretamente envolvidos nessa fraude e estão sendo investigadas, além de donos de postos de combustíveis receptadores e transportadores. O local, que pode ter produzido cerca de 200 mil litros de gasolina adulterada por semana, foi interditado e a polícia continua as investigações. O dono da firma, que alugou a garagem, não é de Araraquara, segundo o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.