Descoberta quinta central telefônica no Vale do Paraíba

A polícia localizou nesta terça-feira mais uma central telefônica usada para a comunicação entre presos, em São José dos Campos - a quinta em um mês no Vale do Paraíba e litoral norte paulista. A central tinha duas linhas e funcionava em uma casa na Rua Cristóvão Colombo. A polícia chegou ao local depois de investigar telefones e nomes encontrados em outras centrais clandestinas de Jacareí e Taubaté. Na casa em São José moram duas mulheres, uma delas foi presa em flagrante. Simone Bernardo de Oliveira negou envolvimento com as centrais. A polícia procura Juliana Camargo, que está foragida e também teria ligação com o esquema.As linhas telefônicas estavam em nome da empresa Pet Shop Comércio e Representações Ultralimitada. Segundo o delegado Carlos Alberto Macedo Bastos, na capital e Grande São Paulo, mais de 100 linhas em nome desta empresa já foram localizadas pela polícia. As contas na central de São José dos Campos variavam de R$ 10 a R$ 17 mil. "Só aqui o prejuízo chega a R$ 100 mil", afirmou o delegado.Na casa a polícia encontrou cartas para presos do Presídio Magalhães Noronha, de Tremembé. A central era usada para fazer transferência de ligações entre o presídio de Tremembé e outros presídios e cadeias do Estado. "Isso é ação do crime organizado. Enquanto as regras para se adquirir um telefone não mudarem, vamos ficar procurando centrais criminosas", disse Bastos. Ele disse que a Telefônica deveria fiscalizar melhor para quem vende as linhas. "O prejuízo acaba sendo da empresa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.