Descobertas 40 pessoas trabalhando como escravas na BA

Pelo menos 40 trabalhadores rurais de várias regiões da Bahia e de Pernambuco foram encontrados ontem na Fazenda Boa Sorte, situada no município de Catu, na região metropolitana de Salvador em regime de semi-escravidão. Agentes da delegacia de polícia do município prendeu sete pessoas, mas apenas duis Carlos Diego Santos (filho do dono da fazenda José Carlos dos Santos) e Neilson Silva, o "Cabeção" que teria levado uma garota de 14 anos para participar de uma orgia na fazenda, permaneciam detidos hoje. Localizada numa área pertencente à prefeitura de Catu, a fazenda explorava madeira na região. Os trabalhadores recebiam R$ 40 por semana pelo serviço de derrubada de árvores e armazenamento da madeira, que posteriormente era transportada para a cidade pernambucana de Serra Talhada onde mora o proprietário do empreendimento José Carlos dos Santos. Nenhum dos empregados tinha carteira assinada, eram obrigados a pagar a comida que consumiam ficando sempre em débito com a administração da fazenda, o que os impedia de deixar o trabalho. "Se eu saísse não receberia nada", disse Nélson Batista. Ostrabalhadores dormiam em camas improvisadas num curral. Motosserras e um revólver calibre 38 foram apreendidos na fazenda. O proprietário Santos está sendo procurado pela polícia. Ele será obrigado a pagar indenizações trabalhistas aos funcionários. Carlos Diego tentou defender o pai. Disse que a empresa já explorou madeira em várias regiões da Bahia. "Não somos pessoas desonestas", assegurou.

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2004 | 12h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.