Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Descoberto desvio de R$ 2 milhões da PM baiana

Um esquema de desvio de recursos dentro da Policia Militar da Bahia foi identificado pela Auditoria Geral do Estado (AGE) a partir de denuncia anônima. Sete pessoas estariam envolvidas no esquema que desviou do erário público R$ 2.093.000,00, entre os quais um tenente-coronel, dois capitães, um sargento e uma funcionária da Secretaria de Educação da Bahia, cujos nomes não foram revelados pelo governo do Estado.É o segundo caso de corrupção ocorrido na PM baiana nos últimos quatro anos. Em 98, foi descoberto o desvio de R$ 2 milhões da corporação num esquema semelhante liderado pelo então comandante da PM na época, o tenente-coronel Antonio José Souza Filho e outros dois tenentes-coronéis. Eles foram exonerados e estão sendo processados por corrupção. O mais novo escândalo na PM baiana foi levantado graças a uma denúncia anônima feita diretamente ao atual comandante, o tenente-coronel Jorge Luís de Souza Santos. A pessoa que provavelmente participava do desvio, disse que o dinheiro era roubado através do Sistema de Informações Contábeis Financeiras do Estado (Sicof). Os fraudadores invadiam o sistema informatizado utilizando senhas oficiais e autorizavam o pagamento a supostas empresas fornecedoras. No entanto, o depósito do dinheiro era feito nas contas bancárias dos envolvidos.Após a identificação do caso, o secretario da Fazenda Alberico Mascarenhas constituiu uma comissão formada por procuradores, auditores, contabilistas e um oficial da PM para aprofundar as investigações e produzir um relatório em 30 dias. Também existe a suspeita da participação de quatro empresas no esquema. Mascarenhas disse que somente após a conclusão do relatório da comissão de investigação é que os nomes das pessoas e empresas envolvidas serão divulgados.

Agencia Estado,

18 de agosto de 2001 | 13h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.