Descontentamento é grande entre professores do Rio

Uma pesquisa do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação revela que 68,9% dos 3 mil professores da rede municipal de ensino de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, trocariam o atual cargo na prefeitura por qualquer outro emprego, mesmo para receber um salário idêntico ao atual, na faixa de R$ 400,00.Entre os professores com menos de dez anos de serviço, a insatisfação com a rede municipal é ainda maior: 71% deles trocariam as salas de aula por outra atividade.Quatrocentos professores foram ouvidos na pesquisa encomendada pelo sindicato, que luta por maiores salários e está preocupado com possíveis reflexos do descontentamento dos professores na qualidade do ensino.Fatores de insatisfaçãoO baixo salário foi apontado como um dos principais fatores de insatisfação: 98,4% dos entrevistados disseram estar insatisfeitos com a atual remuneração.As condições de trabalho foram consideradas precárias por 95% dos professores, e 92% disseram não acreditar que a situação vá melhorar.Piores saláriosDe acordo com o sindicato, os professores de Nova Iguaçu ? terceiro maior município do Estado em número de habitantes ? estão entre os que recebem os piores salários do Rio.?O descontentamento com a rede pública é muito forte, e isso gera uma ausência de perspectiva de futuro?, diz o diretor do sindicato, Emílio Araújo.?Em conversa com professores, detectamos um questionamento muito forte, por isso encomendamos a pesquisa, e o resultado foi assombroso.??Qualquer coisa?A professora Deusa Santa Bárbara, de 30 anos, trabalha 20 horas semanais na Escola Municipal Marechal Mascarenhas de Moraes e recebe R$ 400 de salário mais R$ 42 de auxílio passagem.?Eu amo a educação e acho que somente por meio dela será possível mudar o País, mas a situação está muito difícil?, diz ela, que aceitaria ?qualquer coisa, até mesmo ser vendedora de loja?.?É muito triste ver alunos ignorantes, pais ignorantes e o descaso da atual administração, que parece até intencional, de má-fé.?A secretária municipal de Educação de Nova Iguaçu, Maria Aparecida Marcondes, não foi localizada nesta terça-feira para comentar a pesquisa do sindicato. Segundo assessores, ela passou o dia fora da secretaria, em ?atividades externas de incentivo à leitura?.ParalisaçãoAinda de acordo com o sindicato, a prefeitura de Nova Iguaçu receberá este ano ?mais de R$ 33 milhões? do Fundef, mas só teria programado gastos de R$ 8,6 milhões com educação este ano.Nesta terça-feira, professores e funcionários das escolas do município fizeram uma paralisação. Eles reivindicam, entre outras coisas, aumento de 35% e abono de R$ 1 mil para 2 mil professores. Houve protesto no calçadão de Nova Iguaçu e passeata até a sede da prefeitura municipal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.