Desde domingo, ao menos 39 morreram e quase 200 foram presos no Rio

Ataques no Estado já incendiaram 97 veículos; operações da PM apreenderam armas e materiais explosivos

Ítalo Reis e Solange Spigliatti, Estadão.com.br

26 Novembro 2010 | 16h11

SÃO PAULO - A Polícia Militar do Rio informou que até o fim da tarde desta sexta-feira, 26, ao menos 39 pessoas haviam morrido após a onda de ataques que ocorrem no Estado desde domingo. Este número inclui tanto supostos traficantes quanto inocentes baleados durante as incursões realizadas em várias favelas. O balanço informava ainda que ao menos 197 pessoas haviam sido presas ou detidas e várias armas, drogas e materiais explosivos e inflamáveis também foram apreendidos. Por enquanto, pelo menos 97 veículos foram incendiados em ataques no Estado.

 

Veja também:

linkTraficantes reagem durante ocupação do Complexo do Alemão

linkCabral agradece Forças Armadas, que controlam os acessos ao morros

linkPerda de espaço motiva ataques do tráfico, dizem analistas

link'Não quero indenização. Queria minha filha', lamenta pai

especialEduardo Paes: 'não podemos é esmorecer'

blog Patrícia Villalba - E o Capitão Nascimento com isso?

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo do Alemão

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

 

Só nesta sexta-feira, pelo menos quatro suspeitos foram mortos em confrontos com policiais. Uma das mortes ocorreu em São Cristóvão, outro no Morro do Juramento e o terceiro, identificado como "Thiaguinho G3', em Inhaúma.

 

Segundo o balanço, dois suspeitos foram detidos em Mesquita, onde foram apreendidos uma pistola e um revólver. Em São Cristóvão, oito coquetéis molotov, uma garrafa de gasolina e um revólver 38 foram apreendidos. Um foi preso. Já no Morro do Juramento, uma pistola 380 foi encontrada.

 

Nesta sexta dez veículos foram incendiados - seis carros, três ônibus e um caminhão.

Mais conteúdo sobre:
ataques no Rio Rio polícia balanço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.