Desembargador nega liminar e goleiro Bruno continua preso

Atleta e outras pessoas são acusados pela morte e ocultamento do corpo de Eliza Samudio

Marcela Gonsalves, Central de Notícias

19 de maio de 2011 | 18h25

SÃO PAULO - A liminar para que o goleiro Bruno pudesse deixar a prisão foi negada na última terça-feira, 17. A decisão coube ao desembargador convocado Celso Limongi. Bruno é acusado pela morte de Eliza Samudio e está em prisão cautelar, aguardando o julgamento.

A liminar foi pedida em habeas corpus contra a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), que havia negado a liberdade ao goleiro. O ex-jogador do Flamengo responde com outras pessoas pelo envolvimento nos crimes de homicídio qualificado, sequestro e ocultação de cadáver.

No pedido, a defesa alegou que Bruno estaria sofrendo constrangimento ilegal por parte do TJ-MG, que manteve a ordem de prisão expedida pela Justiça ao receber a denúncia contra o atleta. Se a liminar fosse aceita, Bruno poderia permanecer em liberdade até o julgamento do mérito do habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Tudo o que sabemos sobre:
goleiroBrunohabeas corpusjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.