Desempenho de aliados pesou no resultado

Entre as capitais dos 8 Estados onde o PSDB ganhou, Serra só não bateu Dilma em Palmas, no Tocantins

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2010 | 00h00

O bom desempenho dos partidos de oposição nas disputas pelos governos estaduais ajuda a explicar a vantagem que José Serra conseguiu sobre Dilma Rousseff nas capitais no segundo turno.

No novo mapa nacional do poder, o PSDB de Serra terminou como o partido que vai controlar o maior número de governos estaduais. Ao todo, os tucanos vão comandar oito Estados: São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Pará, Goiás, Alagoas, Roraima e Tocantins. Nas respectivas capitais, Serra só não bateu Dilma em Palmas (TO).

Além disso, a oposição ainda venceu no Rio Grande do Norte e em Santa Catarina, com candidatos do DEM, partido que indicou Índio da Costa como candidato à vaga de vice-presidente na chapa encabeçada por Serra. Nesses Estados, o tucano também superou a adversária nas capitais.

Desempenho. A mesma lógica se aplica aos resultados de Dilma no segundo turno. Onde seus candidatos foram bem, a presidente eleita derrotou o tucano na capital.

Foi o caso de Salvador, na Bahia, onde a petista impôs uma derrota com mais de 600 mil votos de diferença sobre Serra. Entre os baianos, o governador petista Jaques Wagner foi reeleito já no primeiro turno.

Dilma ainda pôde contar na Bahia com o apoio de um segundo candidato, o ex-ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima (PMDB), que acabou fora do segundo turno, mas ajudou a ampliar o prestígio de Dilma na campanha.

Ceará. A petista também foi ajudada em Fortaleza pelo desempenho do governador Cid Gomes (PSB), irmão do deputado Ciro Gomes, que foi reeleito também no primeiro turno.

A presidente eleita ainda teve o forte engajamento na sua campanha da prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), que ficou ao seu lado no primeiro discurso feito depois da confirmação de sua vitória, anteontem em Brasília.

Na capital cearense, a diferença a favor de Dilma superou o meio milhão de votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.