Desencalhe de navio com substância tóxica é adiado

Foi adiada para este sábado a operação para desencalhar do Porto do Recife o navio cargueiro Jovanna, de bandeira maltesa, carregado com 30,3 mil toneladas de sulfato de amônio, substância tóxica usada na fabricação de fertilizantes. A embarcação vinha de Norfolk (EUA) e depois de deixar parte no Recife, seguiria para o Porto de Santos. De acordo com o capitão dos Portos de Pernambuco, Carlos Afonso Fernandes Pestoni, o Porto do Recife foi interditado porque falta segurança para as embarcações. Pestoni garantiu que não há risco de afundamento do navio.O sulfato de amônio - a granel - está distribuído nos porões do navio, na parte de trás. A avaria ocorreu na frente, fazendo um buraco no compartimento vazio que serve de lastro (que dá equilíbrio ao navio). "Não há alagamento progressivo nem perigo de afundamento", disse ele, frisando que nem a carga nem os porões e nem os tanques de combustível foram afetados. "Só vamos fazer esta operação (de desencalhe) depois de analisarmos a total extensão das avarias e com a garantia de que o navio terá condições de flutuar, para ser levado ao cais", explicou Pestoni, informando que um inquérito administrativo foi aberto para investigar as causas do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.