Desfile da Gaviões da Fiel termina em correria

Terminou em correria o desfile da Gaviões da Fiel, a primeira escola a desfilar no carnaval paulistano, na noite desta sexta-feira, no sambódromo do Anhembi. Com o relógio marcando 66 minutos, um a mais que o tempo permitido, os integrantes da escola atravessaram correndo os últimos trechos do sambódromo para chegar à dispersão. A correria gerou um pequeno tumulto, com integrantes atravessando o portão que já estava sendo fechado. A Liga das Escolas de Samba informou que a escola será punida por exceder o tempo, mas não informou quantos pontos seriam descontados. Integrantes da escola de samba, no entanto, diziam que conseguiram fazer o desfile no tempo determinado. A escola teve um problema pouco antes do desfile, quando um gerador caiu sobre uma das alegorias do carro abre-alas. Mas o carro foi consertado a tempo, antes da entrada da agremiação na avenida. O desfile começou às 23h22 com uma locutora imitando a voz dos aeroportos: ?Atenção, senhores passageiros, começou o carnaval.? A arquibancada foi ao delírio, com o público balançando bexigas brancas e pretas e efeitos de fumaça dignos de estádios de futebol. O ex-jogador corintiano Neto estava eufórico. "Meu coração sempre foi corintiano, e agora a Gaviões que faz parte da minha vida", disse Neto, que desfila pela quarta vez pela escola. A comissão de frente trouxe um minicarro alegórico com a réplica do histórico 14 bis. Os integrantes surgiram fantasiados de anjos gaviões, descendo e fazendo coreografias. Por toda a volta, hélices douradas giravam, causando um belo efeito plástico, já prometido anteriormente Wellington Rocha, o Tonhão. Na frente dos jurados, a comissão ainda sacou fogos de artifício que alegraram a torcida.

Agencia Estado,

25 Fevereiro 2006 | 00h46

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.