Desfile de moda movimenta a Avenida Paulista

Uma passarela montada em frente do Parque Tenente Siqueira Campos, o Trianon, agitou a manhã de ontem na Avenida Paulista. O projeto Novíssima Geração Brasil 2004, organizado pela Fenit, recruta estudantes de moda de diversas regiões do País e reuniu 15 deles para mostrar suas coleções. O evento fez parte do Domingo na Paulista. O público pôde acompanhar os bastidores e os percalços de um desfile como se estivesse no São Paulo Fashion Week. Uma modelo perdeu o sapato e a blusa de outra não parava no ombro, mostrando o seio. "Adorei. É uma possibilidade de termos contato com a moda", disse a coordenadora de saúde, Elza Freitas, de 50 anos. Entre os estilistas, o mato-grossense Ricardo San Martini, de 23 anos, era o único com experiência no mercado da moda. Proprietário de uma pequena indústria têxtil, em Natal, Martini aposta na sua segunda coleção. Sua primeira coleção tem algumas peças expostas na Europa. Para os novos estilistas, a idéia também foi bem-vinda. "É uma vitrine para nosso trabalho", acreditam as alunas do Senac Susana de Souza, de 21 anos, e Cassiana Pires, de 29. PolêmicaOntem foi o sexto domingo consecutivo do projeto Domingo na Paulista. Mas desde a semana passada um abaixo-assinado, pedindo o fim do evento, circula entre os comerciantes da Feira de Antiguidades, no vão livre do Masp. "O Domingo na Paulista tem trazido um pessoal diferente, que não compra", comentou o conselheiro da Associação dos Vendedores de Antiguidades de São Paulo, Manoel Camassa. O encerramento do Fórum Cultural Mundial, ontem, também foi na Paulista. E levou mais atividades para o local. "Teatro de graça e música boa. Quem pode se incomodar com isso?", questionou o publicitário Otávio Soles Junior. "Vim de Olinda e estou orgulhosa de me apresentar em uma das avenidas mais importantes do País", comemorou Rita Coelho, de 36 anos. Uma pesquisa realizada pela Anhembi Turismo e Eventos mostrou que 86% da população aprova o Domingo na Paulista. O evento vai se repetir até 12 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.