Designers de montadoras se inspiram na natureza

Vicent Pedretti não é o único no Brasil que se diverte projetando os carros que serão vistos nas ruas brasileiras. Enquanto a Renault está criando seu Centro de Design, grandes montadoras, instaladas aqui há muito mais tempo, já têm seus designers, com grande portfólio de carros desenvolvidos por aqui.Desde a década de 50, a General Motors, por exemplo, tem um centro de design no Brasil. Cerca de 170 profissionais atuam no setor. O mais novo modelo desenvolvido por eles foi o sedã Prisma, lançado no ano passado. Os designers da GM também assinam os projetos do Corsa (e suas variáveis picape, sedã e perua), do Astra Sedan, do Celta e da Montana.Para o gerente da área, Dagoberto Tríbia, de 33 anos, o grande desafio é criar carros adaptáveis ao mundo todo. "Os produtos se globalizam e têm de atender às necessidades de todas as regiões onde serão vendidos." Tríbia e sua equipe colaboraram com designers alemães da Opel (também da GM) na criação dos desenhos do Meriva e do Vectra GT, que são vendidos no exterior.Segundo Tríbia, as vantagens dos brasileiros em relação aos designers de outros países - principalmente asiáticos e europeus - são a ousadia na criação de projetos e a recusa em seguir padrões preestabelecidos. "O design se reflete no jeito do brasileiro, que tem comportamento mais solto, mais livre e tem menos medo de se expor."O segredo do chefe de design da Volkswagen, Gerson Barone, de 52 anos, é utilizar os elementos da natureza. Para isso, ele viaja o Brasil com uma máquina fotográfica na mão. "Tiro fotos de detalhes: paredes com fungos, grades enferrujadas, troncos de árvores... são texturas que só a natureza consegue fazer." Os tecidos do estofamento do Fox, por exemplo, foram inspirados numa colméia e na flora da mata atlântica.É mais difícil explicar como utiliza a natureza nas curvas dos carros. "Posso utilizar a transição de luz numa montanha, as formas interessantes de uma árvore. Não é algo óbvio. Filosofar e utilizar detalhes que passam despercebidos é a parte bonita do design."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.