ROMILDO DE JESUS/FUTURA PRESS
ROMILDO DE JESUS/FUTURA PRESS

Deslizamentos de terra deixam aos menos 13 mortos em Salvador

Acidentes ocorreram em regiões pobres da capital baiana, após chuvas fortes; criança de 12 anos está entre as vítimas

Heliana Frazão, Especial para O Estado

27 de abril de 2015 | 17h17

Texto corrigido às 10h19 de 28/04

SALVADOR - Pelo menos 13 pessoas morreram vítimas de deslizamentos de terra ocorridos durante as dez horas de chuva que atingiram Salvador entre a madrugada e o final da manhã desta segunda-feira, 27. As mortes foram registradas em regiões pobres da cidade.Os bombeiros afirmam que o número de vítimas pode ser maior.

No Barro Branco, a terra deslizou de uma encosta de cerca de 40 metros de altura, deixando um rastro de destruição. Roberto Ubiratan Júnior, de 16 anos, foi resgatado após ficar oito horas sob os escombros, apenas com parte da cabeça para fora.


Essa foi a segunda tragédia semelhante registrada na comunidade. Há 19 anos, outro deslizamento, ocorrido em 21 de abril, deixou 13 pessoas mortas e cerca de 300 desabrigadas.

Nas duas localidades, adultos e crianças morreram enquanto dormiam. Alguns moradores conseguiram se salvar com a ajuda de vizinhos e dos bombeiros, que trabalharam em esquema de mutirão. No total, a Defesa Civil afirma que houve 103 deslizamentos de terra na cidade até as 16 horas desta segunda.

A chuva provocou estragos por toda a cidade e praticamente paralisou o tráfego de veículos na capital baiana. Ruas alagaram e os carros ficaram no meio do caminho. Em algumas localidades, moradores usaram caiaques e pranchas de surfe para se locomover. A prefeitura orientou a população a permanecer em casa. Escolas e universidades suspenderam as aulas. 

No Hospital Santo Antônio, das Obras Assistenciais Irmã Dulce, na Cidade Baixa, três enfermarias foram invadidas pela água. Os pacientes foram removidos e o ambulatório fechou.

Recorde. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a forte chuva aconteceu por causa de uma frente fria que estacionou sobre parte da Bahia. No período de dez horas, algumas regiões de Salvador registraram cerca de 200 milímetros de chuva – mais da metade da média histórica de abril, que é de 309,7 milímetros. 

Em entrevista, o prefeito ACM Neto (DEM) afirmou que a chuva já era considerada uma das mais fortes dos últimos 20 anos. A previsão do Inmet é de que o tempo permaneça nublado, com pancadas de chuva, no decorrer da semana.

A presidente Dilma Rousseff colocou o Exército à disposição para ajudar no resgate. “É com grande pesar que soube dos deslizamentos que atingiram a cidade de Salvador, causando perda de vidas, deixando feridos e desabrigando diversas famílias”, afirmou. O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, visitará a cidade nesta terça-feira.

Mais conteúdo sobre:
Salvadordeslizamentos de terra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.