Desmoronamento deixa 5 feridos na Chapada dos Guimarães

Com fraturas, as vítimas foram levadas ao Pronto-Socorro de Cuiabá; 35 pessoas faziam a trilha no Véu da Noiva

Nelson Francisco, de O Estado de S.Paulo, e Carlos Orsi, do estadao.com.br,

21 Abril 2008 | 16h54

O desmoronamento de parte de um dos paredões da cachoeira do Véu de Noiva - um dos principais cartões postais de Chapada dos Guimarães, a 65 quilômetros de Cuiabá - deixou cinco pessoas feridas com fraturas pelo corpo, sendo uma em estado grave. O grupo de 35 turistas da Assembléia de Deus fazia trilha por volta das 14 horas desta segunda-feira, 21, feriado de Tiradentes, quando a terra cedeu, informou o Corpo de Bombeiros.   Além das cinco vítimas internadas no Pronto-Socorro de Cuiabá (PSC), parte do grupo sofreu escoriações e ferimentos leves no corpo provocados pela terra molhada e pedras, comuns na região na hora em que passavam pelo local. "Mas que precisaram ser removidos com ambulância foram cinco", diz a secretária de Turismo, Cultura e Meio Ambiente do município de Chapada dos Guimarães, Emily Dalto Pellegrim. "Dessas, uma jovem teve ferimentos muito graves".   Acionados pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), 25 homens do Corpo de Bombeiros fizeram o resgate das vítimas. Com o período chuvoso comum nesta época do ano, o Corpo de Bombeiros recomenda cuidado para a prática de trilhas, rafting e rapel nos paredões de Chapada dos Guimarães.   A cachoeira Véu de Noiva, com 86 metros de queda livre, é o principal ponto de visitação do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães. Na região de Cerrado, além da cachoeira, o vale e as escarpas do morro, formadas de arenito, atraem centenas de turistas diariamente.   A cachoeira pode ser observada a partir de um mirante próximo à administração do parque. Ou por baixo, em uma trilha íngreme, que só pode ser percorrida com autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).   A secretária Emily disse que tentará marcar uma reunião com a secretaria de Turismo do Estado e com as autoridades federais que adminsitram o parque da Chapada. "A decisão sobre o que fazer a partir de agora cabe às autoridades federais, mas espero uma interdição" do Véu de Noiva, disse ela.    Texto ampliado às 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.