Desorganização marca desfile de 7 de Setembro em SP

Nem mesmo os oficiais das Forças Armadas escaparam da confusão generalizada na chegada ao Sambódromo do Anhembi, onde cerca de sete mil pessoas, entre civis e militares, desfilaram por mais de duas horas sob forte calor e termômetros registrando 31 graus.A prefeita da Capital e candidata à reeleição pelo PT, Marta Suplicy, teve de esperar por mais de cinco minutos dentro do carro oficial a liberação de sua passagem pela Polícia do Exército (PE). O mesmo problema teve a imprensa, que mesmo credenciada para a cobertura do desfile, sofreu para entrar no local.Hóspedes de um hotel localizado nas proximidades do Anhembi também foram afetados. Pela manhã, não conseguiam entrar ou sair do local onde estavam hospedados.A baixa qualidade do som do sambódromo também comprometeu a festa. Muitos dos presentes reclamavam que não conseguiam entender o que o locutor do desfile dizia.Mas os paulistanos atenderam aos apelos cívicos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e fizeram a sua parte. Pelo menos 25 mil pessoas compareceram ao sambódromo e assistiram ao desfile.Apesar de ter lotado o sambódromo, o público mostrou animação em poucos momentos da festa. Destaque para os vôos dos aviões caça, a evolução dos soldados do Corpo de Bombeiros e das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA), além da performance da cavalaria do Exército.Entre os presentes, estavam o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o vice-governador, Cláudio Lembo (PFL), e a prefeita Marta Suplicy (PT). Tanto o governador quanto a prefeita foram recebidos com aplausos e tímidas vaias pelo público.A recente tragédia na Rússia, que deixou mais de 300 mortos, foi lembrada durante o desfile em São Paulo. A dona de casa Maria Lúcia Souza, de 43 anos, contou com a ajuda das duas filhas - Bruna, de 13 anos, e Jenifer, de 9 anos, para confeccionar uma enorme bandeira pedindo Paz. Candidatos de diferentes partidos aproveitaram a presença maciça do público para, do lado de fora, distribuir material de campanha das eleições municipais. Dentro do sambódromo, porém, a panfletagem estava proibida por se tratar de um evento oficial.

Agencia Estado,

07 de setembro de 2004 | 13h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.