Desrespeito ao consumidor

Não aguento mais reclamar da companhia de energia CPFL Piratininga, que presta um serviço de baixíssima qualidade e de custo muito alto. Na minha região, Alameda dos Carvalhos, Sorocaba, com qualquer chuva ou vento é interrompido o fornecimento de energia. Já reclamei diversas vezes e nada foi feito. Já fiquei sem luz durante 16 horas! A falta de energia é quase semanal, sempre com o mínimo de 4 a 5 horas de espera para a volta do serviço. A todo momento algum transformador queima e há imensa demora para o conserto. Isso só prova que não há manutenção. Posso até entender algumas situações, que realmente são inevitáveis. Porém, mais humilhante para o consumidor é ligar no telefone da empresa e ouvir uma gravação. Como consumidor não tenho mais a quem recorrer, estou chegando a ponto de colocar um gerador a diesel para não mais usar o serviço dessa empresa que não investe em melhorias.TONI GIGLIOSão PauloA CPFL Piratininga esclarece ao sr. Giglio que realiza manutenção preventiva e periódica em toda sua rede de distribuição de energia elétrica, inclusive no bairro citado. A última manutenção preventiva no local foi executada em julho de 2008 e a próxima deverá ocorrer em meados deste ano. No último trimestre de 2008 a empresa registrou apenas quatro desligamentos, todos originados por condições climáticas adversas, fortes chuvas e ventanias. O que provocou a queima de um transformador foi a queda de descarga atmosférica em 2 de outubro. Quanto ao atendimento do Call Center, a empresa se orgulha de possuir um dos melhores sistemas do País.Carga tributáriaO governo publicou no Diário Oficial da semana passada a regulamentação do programa de parcelamentos dos débitos referentes ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), com vencimentos anteriores à 31 de dezembro de 2006, cuja dívida atinge R$ 1,3 bilhão. Será que os governantes não enxergam que é um absurdo a alíquota de IPVA? Não poderiam fazer um parcelamento mais amplo? A verdade é uma só: a população não aguenta mais essa enorme carga tributária e o resultado não poderia ser diferente, ou seja, inadimplência altíssima.ANTONIO FERNANDO PEROBELLItatiba Foi com enorme susto que recebi a cobrança do IPVA de meu carro usado, um Ford Fiesta 1.6 Flex/2006, cujo valor de mercado não passa de R$ 20 mil. Mas para o governo de São Paulo, meu usado vale exatos R$ 27.050,00, pois eu terei de pagar um IPVA de R$ 1.082. Se eu pagar esse valor, o governo compraria meu carro pelo valor que ele taxou? Por que o parcelamento de tão caro tributo vem em apenas três parcelas?ANTONIO FERREIRA ALVESMogi-MirimA primeira da listaA Telefônica é a campeã de reclamações por conta da sua falta de compromisso com seus clientes e pela má qualidade dos serviços prestados. Até quando nós, brasileiros, vamos suportar que uma empresa estrangeira continue a nos enganar, a mentir e a nos desrespeitar? Após passar por inúmeros atendentes, meu problema não foi resolvido. Quando a Anatel tomará alguma providência?GRIMA GRIMALDISão PauloA Assessoria de Imprensa da Telefônica informa que a empresa entrou em contato com a sra. Grima Grimaldi (sic) para os esclarecimentos necessários sobre seu questionamento. O leitor contesta: Primeiro, sou um senhor, mas entendo, pois meu nome causa dúvidas. Segundo, quanto ao contato comigo é simplesmente uma grande mentira, ninguém ligou para minha casa e, se realmente o tivesse feito, saberia que sou um senhor e não uma senhora. A empresa continua mentindo, o que prova não ter nenhum respeito ou compromisso com seus clientes.Abandono das estradasVindo do sul de Minas e precisando tomar a Dutra pela Cachoeira Paulista, em 28/12, fiquei indignado com o péssimo estado de conservação daquele acesso à rodovia: a quantidade de crateras e o estado de abandono da estrada são incompatíveis com o padrão de qualidade das estradas paulistas em geral. Será que o IPVA escorchante que pagamos e os pedágios que remuneram muito bem as estradas privatizadas não poderiam ser aplicados também no acesso às rodovias? Senti total ausência do poder público - estadual e municipal - naquele trecho. E ai de quem, inadvertidamente, passar pelas crateras à noite ou sob chuva. Vai ter de chamar o guincho e lamentar o estrago.MARCO ANTÔNIO VELOSOSuzanoAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.