Desrespeito no trânsito

Fiquei indignado com a atuação de policiais. Estava na Avenida Brás Leme quando um Vectra preto passou em alta velocidade ultrapassando e cortando outros carros. Na Praça Campo de Bagatelle o farol fechou e o motorista do Vectra ultrapassou o sinal vermelho. Os policiais que estavam numa viatura, logo atrás do Vectra, deixaram o carro ir embora, tiraram a prancheta e anotaram a placa, certamente, para multá-lo. Gostaria de saber se o procedimento padrão é ignorar a situação e apenas multar os suspeitos. SIDNEI GLIBAS São Paulo A Polícia Militar (PM) do Estado de São Paulo esclarece que os policiais militares que atuam no policiamento ostensivo têm formação técnico profissional que os capacita a avaliar se uma ação ou comportamento pode ser interpretado como atitude suspeita. Explica que a decisão sobre a abordagem compete ao policial, que avalia qual o melhor momento e o meio mais adequado para a ação, bem como a forma mais eficaz de agir. O curso de formação de policiais é de um ano com 1.319 horas de aula e 23 disciplinas curriculares, como direito penal e civil, sociologia, psicologia, policiamento ostensivo, preservação da ordem pública, entre outras. A doutrina policial prevê a abordagem a veículos após cerco policial e a "perseguição" com veículos em alta velocidade é substituída pelo posicionamento integrado das patrulhas que obstruem o veículo suspeito alguns quarteirões à frente, sem alarde. Sobre o sofisma criado pelo leitor, evidenciado pelo advérbio "certamente", o fato dele não saber qual atitude o policial militar tomou em relação ao caso não é suficiente para julgar o que foi feito. Desrespeito Há pouco menos de três meses, eu e um grupo de 30 moradores de dez casas da Rua Livi, na Vila Madalena, em São Paulo, tentamos convencer a administração do asilo de idosos localizado na Rua Bernarda Ruiz a reduzir o nível de ruído produzido. Parece inacreditável, mas uma casa destinada ao repouso de pessoas da terceira idade consegue atrapalhar o sono da vizinhança com o barulho provocado por sua nova câmara de refrigeração, das entregas dos fornecedores e das conversas dos funcionários que saem da propriedade aos gritos. DANIELE JOHN São Paulo Moro na Rua Ourânia, no Alto Pinheiros, e na esquina com a Rua Lira há uma construção em andamento, cujos responsáveis não respeitam a vizinhança! MARIANA SÉRVULO São Paulo Há um boteco na Rua Benedito Leal, em Artur Alvim, que, além de não ter licença para funcionar, toca música alta todos os dias. Há um karaokê que vai até a 1 hora e, nos finais de semana, até as 4. Os moradores não têm coragem de ir até lá para reclamar, pois o pessoal do boteco é agressivo. ANDERSON BUENO VIEIRA São Paulo No início de junho, mais uma casa noturna foi inaugurada na Rua Augusta e o som invade os apartamentos dos moradores do prédio localizado na Rua Padre João Manuel, n.º 1.100, das 23 horas até as 5h30. A maioria dos moradores é idosa. CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AÇUCENA São Paulo O Programa de Silêncio Urbano (Psiu) da Prefeitura não respondeu a nenhuma reclamação. Falta de segurança Moro na Rua Saracura Sanã, na Vila Curuçá, próximo à altura do n.º 4.100 da Avenida Nordestina. Um engenheiro da CET esteve na avenida, que tem mão dupla, e constatou a necessidade da instalação de um semáforo, porém, por causa da falta de uma guia e de calçamento, não pode colocá-lo. Em razão do grande movimento, há muitos atropelamentos no local. O que deixa os moradores indignados é que, em vez de colocar o semáforo, a CET está instalando uma lombada eletrônica na altura do n.º 4.600, lugar que também não tem guia nem calçamento! Cobrar multa pode, mas e a segurança das pessoas? ELISABETE GUEDES DA SILVA São Paulo Adele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que o semáforo para travessia de pedestres solicitado será instalado na altura do n.º 4.193 da Avenida Nordestina, no trecho entre as Ruas Dr. Gervásio Alves Pereira e Numênio. Explica que a instalação desse semáforo ocorrerá dentro do cronograma de serviços da CET e independe da execução das obras de alinhamento de guia e sarjeta do lado par da Avenida Nordestina. Informa ainda que o objetivo da instalação de uma lombada eletrônica na avenida citada pela leitora é melhorar as condições de segurança e fluidez do tráfego na região. As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

, O Estadao de S.Paulo

13 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.