Desta vez, Beira-Mar causa menos apreensão, diz prefeito

O prefeito do município de Presidente Bernardes, padre Humberto Laércio Bastos de Souza (PTB), disse hoje que desta vez a presença do traficante Fernandinho Beira-Mar no presídio de segurança máxima da cidade causa ?menos apreensão?. Em 27 de fevereiro, quando Beira-Mar chegou pela primeira vez àquela prisão, líderes da região mobilizaram-se contra a permanência do traficante no Centro de Readaptação Penitenciária, o Piranhão.Naquela época, moradores da cidade, que tem 15 mil habitantes, manifestaram temor com a possibilidade da chegada de integrantes da quadrilha de Beira-Mar. Alguns moradores chegaram a dizer que a paz já havia deixado o município ?há muito tempo, desde a construção de presídios na região?.Beira-Mar ficou de 27 de fevereiro a 26 de março deste ano no mesmo presídio, considerado o mais seguro do Brasil e com regime rígido que proíbe qualquer tipo de relagia e impõe isolamento total nos primeiros dez dias. A partir daí, os banhos de sol ocorrem a cada trêsdias, por uma hora e meia. As conversas com advogado são controladas e restritas a uma vez por semana. A visita de pessoas da família são permitidas somente após 30 dias e sem contato físico, em cabines com vidros blindados e convernas por interfone.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.