Destino de Beira-Mar pode ser prisão militar

Se a União não conseguir superar a resistência do governador Geraldo Alckmin em manter o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, preso em Presidente Bernardes, uma alternativa já está sendo estudada. Mais uma vez, as autoridades federais estão sondando a transferência do traficante para uma unidade das Forças Armadas.Nesta terça-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve reunido com os comandantes dastrês Forças e não se sabe se o assunto foi discutido. A reunião era, oficialmente, paradiscutir promoções nas Forças Armadas, mas especulou-se que o presidente tenha aproveitado a oportunidade para sondá-los sobre a possibilidade de Beira-Mar ir para um quartel.No ano passado, o governo chegou a sugerir mandar Beira-Mar para Ilha das Cobras, mas a Marinha se recusou a recebê-lo. Assessores do Planalto evitam comentar o assunto, alegando necessidade de sigilo absoluto.O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirma que o destino de Beira-Mar já estátraçado, mas não revela para onde o governo irá mandá-lo. Nesta segunda-feira, autoridadesfederais confirmaram que uma das opções era rediscutir com Alckmin a permanência do traficante no presídio de segurança máxima, no interior paulista.No mesmo dia, o governador reafirmou que Fernandinho ficaria apenas 30 dias no Estado.?Já decidimos onde ele irá ficar?, diz Thomaz Bastos, que evita citar locais, alegandoquestões de segurança.No ano passado, diante da decisão da Justiça do Distrito Federal de pedir a transferência de Beira-Mar para um dos Estados onde ele estava sendo processado ? Rio de Janeiro e Minas Gerais ? e sem alternativas, o então ministro da Justiça, Paulo Tarso Ribeiro, cogitou sua transferência para a Ilha das Cobras. Mas as Forças Armadasse recusaram a ter Beira-Mar sob sua custódia. O assunto voltou à tona durante a campanha presidencial, quando o então candidato do PSDB, José Serra, propôs que Beira-Mar fosse para um quartel. Os militares mais uma vez rejeitaram a idéia. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.