Almir Praseres /Governo do Maranhão
Almir Praseres /Governo do Maranhão

Destroços de avião americano da 2ª Guerra são achados no litoral do Maranhão

Aeronave caiu em 1943 e todos os seis tripulantes morreram; é necessária a presença de um especialista em bombas para concluir a remoção do material do mar

Diego Emir, Especial para o Estadão

05 de julho de 2021 | 15h56

SÃO LUÍS - Um achado histórico no Maranhão pode apresentar novas evidências de uso do Brasil como rota dos americanos na Segunda Guerra Mundial. No Canal da Tábua, em Humberto de Campos (MA), 153 km distante de São Luís, destroços de um avião North American B-25 Mitchell foram encontrados por moradores. 

A aeronave, conhecida como Bombardeiro, saiu da Flórida passou dois dias em Belém e no dia 13 de maio de 1943 caiu em território maranhense. O próximo destino seria Natal, antes de atuar no norte da África e no Mar Mediterrâneo na Segunda Guerra Mundial.

Antes de cair, a tripulação enviou um pedido de socorro à Base Áerea do Tirirical, atual Aeroporto Internacional Marechal Hugo da Cunha Machado, em São Luís. No avião estavam seis americanos: piloto, co-piloto, engenheiro de comunicação, engenheiro químico, operador químico e um auxiliar operacional.

Toda a tripulação do avião morreu na queda. Os corpos mutilados foram enterrados em dois cemitérios da região. Porém, após três meses, em agosto de 1943, militares americanos estiveram na região para levar os restos mortais de volta à terra natal. “De acordo com relatos de moradores, eles chegaram a ameaçar a bombardear a região, caso os pertences pessoais da tripulação não fossem devolvidos”, contou Wellington Matos, técnico da Secretaria de Trabalho do Maranhão e responsável pelo achado.

Ele conta que a descoberta foi possível por meio do Programa de Desenvolvimento de Renda Municipal. Ao escutar 22 moradores da região, idosos com idade média de 85 anos, foram ouvidos relatos sobre a queda do avião.

Até o momento, só foi retirada parte do trem de pouso do avião, uma vez que toda aeronave está ainda enterrada. Só um trabalho com a presença de um perito especialista em bombas pode garantir a segurança da extração do Bombardeiro. “O avião pode pesar entre 7 e 15 toneladas, dependendo da quantidade bombas que estivessem armazenadas”, relatou Wellington Matos. A retirada de parte do trem de pouso ocorreu no momento de baixa da maré, que acontece ao final do período de lua cheia.

Marinha, Aeronaútica, Corpo de Bombeiros e a prefeitura de Humberto de Campos já foram notificados do achado. Uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão deve visitar a região na próxima quinta-feira, 8 de julho. O secretário de Trabalho e Renda, Joweberth Alves, informou que irá apresentar uma “proposta de construção de um museu para o município” para deixar registrada esse fato histórico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.