AFP
AFP

Detentos de presídio no RN mantêm controle de unidade

Para fazer com que os presos retornem ao interior da unidade, o governo do Estado terá de reformar as estruturas atingidas pela rebelião

RAFAEL BARBOSA, ESPECIAL PARA O ESTADO

16 Janeiro 2017 | 23h21

NATAL - Detentos do Presídio Rogério Coutinho Madruga ainda detinham o controle da unidade 48 horas depois do início do motim, que culminou com o assassinato de 26 presos na Penitenciária de Alcaçuz, vizinha ao local e invadida durante a ocorrência. Apesar de não darem sinais de confronto ou baderna, eles permaneciam soltos do lado de fora do pavilhão, que funciona no mesmo terreno de Alcaçuz. 

De acordo com o tenente Edmilson Pauli, da Companhia Independente de Guarda Penitenciária, o local abriga presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Presidiários ligados ao Sindicato do Crime estão no pavilhão 1 de Alcaçuz. Com segurança reforçada pela Força Nacional, a expectativa é de que não houvesse tumulto no estabelecimento carcerário na madrugada de hoje.

Para fazer com que os presos retornem ao interior da unidade, o governo do Estado terá de reformar as estruturas atingidas pela rebelião de sábado, o que ainda não tem prazo para ocorrer. O presídio Rogério Coutinho foi inaugurado em 2012 e, com capacidade para 400 presos, foi usado inicialmente como o quinto pavilhão de Alcaçuz. Passou posteriormente a contar com direção própria e ser separado da unidade.

A Polícia Militar e agentes penitenciários chegaram a entrar no pavilhão 4 e no Coutinho Madruga para retirar cinco detentos apontados como líderes da rebelião. Eles seriam levados para prestar depoimento à Polícia Civil e depois transferidos a uma unidade não revelada. Foram apontados como envolvidos os detentos Paulo da Silva Santos, João Francisco dos Santos, José Cândido Prado, Paulo Márcio Rodrigues de Araújo e Tiago Souza Soares.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.