Detentos encerram rebelião em Pernambuco

Sem conseguir ver atendida sua principal reivindicação - o afastamento do diretor Centro de Observação Criminológica e Triagem (Cotel), Rildo Manuel Cardoso, há 15 dias no cargo -, os detentos do Pavilhão A - um dos dois que compõem o complexo penitenciário no município de Abreu e Lima, na Região Metropolitana de Recife - encerraram na madrugada desta quinta-feira uma rebelião que durou cerca de 7 horas. O saldo é a morte de um preso que ainda não foi identificado. Assassinado com golpes de faca, ele foi carbonizado, em meio as colchões e móveis incendiados pelos rebelados. Inicialmente, às 19 horas de quarta-feira, quatro presos considerados de bom comportamento foram feitos reféns. Depois de assassinar o preso, que ocupava a função de "guarda-chaves" da cadeia, os rebelados soltaram outros dois. Mas mantiveram um refém, durante a negociação. Outra reivindicação era o fim da limitação de visitas. Eles poderão receber a visita de 3 mulheres. A entrada de homens do presídio, em dia de visita está limitada. Só será permitida a entrada dos 200 primeiros homens que chegarem ao portão da cadeia. Com capacidade para apenas 311 internos, o Cotel tinha,na quarta-feira, uma população carcerária de 1.098 homens.

OSWALDO FAUSTINO, Agencia Estado

06 Setembro 2007 | 07h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.