Reprodução
Reprodução

Detentos fazem motim em cadeia na região metropolitana de BH

Rebelião no Presídio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, seria para pressionar pela saída do atual diretor da unidade; não há registro de feridos

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

17 Janeiro 2017 | 11h00

BELO HORIZONTE - Detentos do Presídio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Grande Belo Horizonte, fizeram motim na noite desta segunda-feira, 16. Colchões foram queimados. A unidade tem 365 celas individuais e 30 celas coletivas. A capacidade total é para cerca de 1,2 mil presos. No entanto, atualmente o presídio tem cerca de 2,2 mil detentos.

Durante a madrugada, o Comando de Operações Especial (COE) da Polícia Militar foi chamado. A situação se normalizou no início da manhã desta terça-feira, 17, segundo informações da PM. Até o momento, não há registro de feridos.

O motim seria para pressionar pela saída do atual diretor do presídio, Rodrigo Machado.

Em nota divulgada na manhã desta segunda-feira, horas antes do motim, o Sindicato dos Agentes Penitenciários de Minas Gerais (Sindasp), defendeu o diretor e afirmou que o trabalho de Machado "incomoda presos e humanistas de plantão".

Em março do ano passado, o Presídio Dutra Ladeira chegou a ser proibido pela Justiça de receber mais detentos por 60 dias, para reduzir a superlotação.

Segundo a Secretaria de Administração Prisional (Seap), o que aconteceu no presídio na noite desta segunda-feira e na madrugada desta terça-feira foi uma "subversão da ordem, com colchões sendo queimados".

Vídeo. Um vídeo foi divulgado nas redes sociais com um detento da Dutra Ladeira afirmando que se não houver resposta a reivindicações "vai rolar sangue" e que "o bagulho vai ficar doido".

"Todas as cadeia (sic) tá ligado". "Estamos sujeito a tudo. A morrer e a matar também", gritam os presos, no vídeo.

Agressão a jornalista. A repórter da TV Globo Minas Larissa Carvalho foi agredida enquanto fazia uma transmissão ao vivo na GloboNews em frente ao presídio. Uma familiar de um preso se aproximou e a empurrou violentamente contra o chão.

Mais conteúdo sobre:
Polícia Militar Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.