Detido bando que roubava cargas no centro de São Paulo

Grupo atuava no entorno do Parque D. Pedro II; 10 pessoas acabaram presas em flagrante

Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

18 Agosto 2009 | 00h00

A Polícia Civil prendeu ontem, às 11 horas, 10 acusados de compor uma quadrilha que roubava cargas no Parque Dom Pedro II e na Rua 25 de Março, no centro de São Paulo. As prisões foram resultado da Operação 25, planejada pelos homens do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra). Outros 25 suspeitos foram detidos durante a ação dos policiais. "Parte deles estava em um depósito usado para esconder mercadoria contrabandeada e roubada", afirmou o delegado Oswaldo Nico Gonçalves, do Garra. Confira a ação em vídeoVestidos de garis, fiscais de trânsito e funcionários de uma empresa de energia elétrica e entregadores, os investigadores surpreenderam os ladrões pouco depois de eles terem roubado parte da carga de camisas e peças de motocicletas de um caminhão e terem tentado furtar uma Kombi com cigarros. Tudo estava sendo filmado pelos investigadores, que ficaram cerca de um mês vigiando o cotidiano do local de um prédio próximo do terminal de ônibus do Parque Dom Pedro II.O trabalho foi identificar como atuava o grupo e seus componentes. Assim, os policiais infiltrados descobriram que os acusados chegam cedo à Rua 25 de Março e se reúnem em um bar perto do parque. Começa então a caçada às vítimas. Olheiros do bando examinam Kombis e caminhões-baú a fim de verificar que mercadorias transportam e se poderiam abri-los.Foi assim no dia 8, por volta das 11 horas. O olheiro quebrou o vidro da porta de uma Kombi estacionada ao lado do parque. Rapidamente, os outros acusados de participar do bando apareceram. Cada um apanhou uma caixa com mercadoria e saiu correndo na direção do camelódromo. O motorista João Carlos Almeida, de 22 anos, não percebeu nada. Só quando voltou à sede da transportadora em que trabalha notou que parte da carga de pranchas, secadores e máquinas havia sido furtada.Em outro dia, os bandidos abriram um caminhão-baú e começaram a retirar caixas com mercadorias quando o motorista chegou. Um dos ladrões, simulando ter uma arma por baixo da camisa, dominou o motorista, enquanto os comparsas continuaram o roubo. Com as imagens dos assaltos e furtos, os policiais prepararam a operação de ontem. Cerca de 50 deles ficaram esperando o grupo voltar a agir para detê-lo.Depois do segundo ataque, os investigadores vestidos de fiscais de trânsito e de garis detiveram os dois homens apontados como chefes do grupo: Sidnei Souza Silva, de 36 anos, e Francisco de Assis, de 32. Os presos foram todos colocados sentados na calçada, antes de serem embarcados em um ônibus, que os levou até o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic). "Eles devem ser autuados por formação de quadrilha para a prática de furtos e roubos", disse o delegado Nico. Parte da mercadoria era vendida para receptadores ali mesmo no parque, outra era repassada aos camelôs no centro. Segundo o diretor do Deic, Gaetano Vergine, o plano do departamento é repetir essas operações em outras áreas da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.