Detido suspeito de matar jovem em assalto

O morador de rua Augusto Cesar de Souza, de 27 anos, foi reconhecido ontem pelos pais da estudante de Administração Karla Leal dos Reis, de 25 anos, como o assaltante que matou a filha deles, na noite de domingo, no centro do Rio. Com uma longa ficha policial, que inclui corrupção de menores, atentado violento ao pudor e roubo, Souza foi posto em liberdade condicional há quatro meses, após cumprir pena de quatro anos em Bangu 2 por assalto. A polícia suspeita de que ele estava sob o efeito de crack quando atirou com um revólver na vítima. Os pais de Karla não falaram com a imprensa. "Estão traumatizados. Ela era filha única e foi morta na frente deles após entregar os pertences ao assaltante. Karla apenas pediu a Bíblia e o crachá do trabalho de volta. O assassino jogou o livro no chão e deu três passos para trás. Quando ela abaixou para pegar, ele atirou", contou o pastor Fábio Borges, que acompanhava a família. O crime aconteceu a poucos metros da sede administrativa da prefeitura, no centro. Souza foi preso anteontem, por volta das 22 horas, na Praça da Cruz Vermelha, onde costumava dormir. Em depoimento à polícia, o acusado negou tudo. Ele disse que, na hora do crime, visitava a mãe em Coelho Neto, no subúrbio. No entanto, o álibi foi desmentido pela namorada dele, também moradora de rua. Souza disse aos policiais que não se drogava "desde que saiu da prisão" e trabalhava como camelô. "Os pais da vítima foram convictos no reconhecimento. Além da semelhança com o retrato falado, a mãe lembrava que ele não tinha quatro dentes na arcada dentária superior. Souza raspou o bigode e achou que não seria reconhecido", disse o delegado titular 6ª Delegacia de Polícia da Cidade Nova, Rodolfo Waldeck. O acusado foi indiciado por latrocínio e teve a prisão decretada por 30 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.