Detro continua operação em resposta ao assassinato de juíza

Em 2009, Patrícia Acioli foi ameaçada pela máfia das vans de São Gonçalo

Tiago Rogero , estadão.com.br

19 Agosto 2011 | 10h32

RIO - O Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) mantém nesta sexta-feira, 19, a operação "Forças Aliadas", iniciada ontem em resposta ao assassinato da juíza Patrícia Acioli, que em 2009 foi ameaçada por integrantes da chamada "Máfia das Vans" de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A ação, para combater o transporte clandestino na cidade e outros municípios da região, foi retomada às 6h de hoje.

 

Oito veículos foram apreendidos: cinco em São Gonçalo, um em Niterói, um em Itaboraí e outro em Maricá. Na ação de ontem, foram apreendidos 21 veículos, entre vans e kombis piratas. Participam dos trabalhos hoje 100 fiscais, 40 viaturas e 10 reboques.

 

 

"Sabemos que São Gonçalo era dominada por falsas cooperativas ligadas à máfia das vans e, por isso, muitas de nossas ações na região acabaram em ocorrências policiais. Nada disso nos intimidou e seguiremos combatendo fortemente esse tipo de atividade marginal, que financia a atividade de milicianos e traficantes", informou ontem, em nota, o presidente do Detro, Rogério Onofre.

Segundo o Detro, só em Niterói e São Gonçalo já ocorreram "mais de 100 homicídios relacionados à exploração do transporte alternativo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.