"Deus estava entre a bala e eu", diz Pedro Bial

Nem indignação nem raiva, mas felicidade "por estar vivo". Assim o jornalista e apresentador da Rede Globo Pedro Bial definiu hoje seu estado de espírito. Na noite de quarta-feira, seu carro foi roubado por quatro homens armados na Avenida Niemeyer, na zona sul do Rio. Um dos bandidos disparou um tiro, que passou perto da orelha esquerda de Bial. O jornalista se fingiu de morto para escapar. "Não gosto de usar essa palavra, mas foi um milagre. Achei que tinha morrido. Deus é meu amigo, né? Depois dessa, é o Big Father mesmo", disse, em alusão ao programa "Big Brother Brasil", que apresentou. Apesar do susto, não pretende mudar hábitos, como o de andar a pé pelas ruas do Rio. "Fui fechado violentamente por outro carro e quatro homens armados me dominaram. Eu não opus resistência, mas antes de entrar no carro, um deles atirou no meu ouvido. Não sei o que aconteceu, acho que a bala não saiu." Bial disse que os ladrões descontrolados e aparentemente drogados, o agrediram com uma coronhada e o ofenderam. Sem o aparelho de som, o Golf verde do apresentador, placa LCZ-2307, foi recuperado na manhã de hoje pela polícia, que ainda não tem pistas dos ladrões. Outro automóvel, o Corsa preto placa KNE-4031, que seguia atrás de Bial, também foi levado pelos assaltantes. O carro usado pelos ladrões, um Golf prata, acabou abandonado no local. Bial afirmou que não foi reconhecido pelos assaltantes. Medo - "Deus estava entre a bala e eu", disse o apresentador, durante a madrugada, na 15.ª DP (Gávea). Ele foi interceptado pelos ladrões às 22h30 de quarta, quando seguia para uma festa de confraternização com participantes do "Big Brother Brasil", em uma boate de São Conrado. Sua mulher, Isabel Diegues, grávida de oito meses, estava em outro carro, com um amigo do casal. Correspondente de guerra em Sarajevo, em Angola e na Rússia, o jornalista sentiu mais medo na vida ao ser assaltado. "Na guerra, há comando. O medo é por esse total desespero dos assaltantes. Eram quatro desesperados armados", afirmou. No momento da abordagem, Bial ouvia o jogo do Fluminense, seu time, contra o Juventude. "A grande diferença é que num conflito você está psicologicamente preparado." Depois de prestar depoimento na delegacia, Bial acabou levado por seguranças da Rede Globo para uma clínica particular, pois não escutava com o ouvido esquerdo. Ele ainda ironizou o fato de já ter perdido parte da audição do ouvido direito por causa de uma bomba, em Sarajevo. "Rio e Sarajevo, duas cidades com uma coisa em comum", brincou. Também teve bom humor ao dizer que se considera um "homem de sorte". "O Kleber ganhou só R$ 500 mil, eu ganhei a vida", disse, comparando-se com o vencedor do "Big Brother".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.