Dezenas de presépios em exposição na capital

Por muito tempo, a palavra presépio quis dizer o lugar onde se recolhe o gado. Em 25 de dezembro 1223, graças à recriação da cena de nascimento de Jesus por São Francisco de Assis, ela mudou de significado. Desde então, a Sagrada Família, os pastores, os animais e os reis magos se espalharam pelo mundo e não podem faltar na festa de Natal. Em São Paulo, eles podem ser vistos por toda a cidade. No dia 13, foi reaberto no Museu de Arte Sacra o Museu dos Presépios e lançado o livro O Presépio Napolitano de São Paulo. A obra recupera a história de um dos mais importantes conjuntos de escultura européia do século 18 no Brasil, que foi criado por artistas e artesãos italianos, com mais de 1.600 peças e, há 50 anos, comprado pelo industrial e mecenas Francisco ´Ciccillo´ Matarazzo Sobrinho (1898-1977). Quem quiser conhecer outros 31 presépios interessantes que mostram, entre outras coisas, o sincretismo religioso no Brasil, pode visitar o claustro do Convento São Francisco, no centro. Com peças nacionais e estrangeiras, a mostra tem como um dos destaques a representação com figuras do candomblé, na qual São José, por exemplo, veste trajes de Filho de Gandhi. Em Pinheiros, a Associação Comercial de São Paulo e o clube dos lojistas do bairro criaram um presépio em tamanho natural com garrafas plásticas de refrigerante. Fica na Rua Simão Álvares, 517. Na Lapa, o Presépio Reciclázaro, da Paróquia São João Maria Vianney, na Praça Cornélia, também foi confeccionado em tamanho natural com materiais recicláveis. Outro detalhe é que ele foi todo construído por moradores de rua, sob a coordenação do artista plástico Sandro Rodrigues. Foram usadas cerca de mil garrafas PET, cem quilos de papel e 3 mil lacres de latinha de refrigerante. O molde dos personagens foi tirado do corpo dos participantes do projeto. Para o padre José Carlos Spinola, o presépio é prova da capacidade criativa do povo de rua. Os shoppings também não abriram mão de presépios em suas decorações de Natal. O do Iguatemi foi montado no Espaço Fashion. O do Penha, no hall do elevador panorâmico e o do Central Plaza, na Praça de Alimentação. No ABC Plaza Shopping, o destaque é o presépio renascentista em estilo florentino. Já o Shopping Eldorado montou um presépio utilizando musgo, juta, palha e outros artigos de origem natural e o Butantã, um presépio de 1,20 metro de altura. O Tamboré também usou grandes figuras nos jardins externos do shopping. Esculpidas em barro e banhadas a ouro, elas fazem parte do acervo da Escola de Arte Sacra da cidade de Pirapora do Bom Jesus e vêm acompanhadas por jovens alunos que permanecerão ali esculpindo peças ao vivo. Como manda a tradição, os presépios podem ser vistos até o dia 6 de janeiro, na maioria dos locais. As exceções são o Napolitano, que tem exposição permanente na antiga residência do capelão do Museu, e os do Convento São Francisco, que serão expostos até o dia 12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.