Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Dezesseis corpos resgatados do Voo 447 chegam a Noronha

Outros 12 corpos estão na fragata Bosísio e não há previsão de chegada; pré-identificação começa

09 de junho de 2009 | 10h03

Os primeiros dezesseis corpos de vítimas do acidente com o Voo 447 da Air France, trasladados pelo helicóptero Black Hawk e Super Puma da Força Aérea Brasileira (FAB), já estão em Fernando de Noronha para os trabalhos de identificação. No total, já foram resgatados 28 vítimas.

 

Veja também:

Resgatados mais 4 corpos; total sobe para 28

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

Os dois helicópteros começaram a operação de traslado dos 16 corpos de vítimas na manhã desta terça-feira, 9. O mau tempo na região atrasou o início da operação, previsto para o fim da madrugada. Os helicópteros içaram os corpos, preparados e acondicionados em contêineres frigoríficos na fragata Constituição. Os primeiros oito chegaram por volta das 10 horas e os outros por volta do meio-dia.

 

Em Fernando de Noronha, os corpos passam pela primeira etapa de identificação realizada por uma equipe de oito peritos da Polícia Federal (PF) e Polícia Civil. Esta fase consiste na coleta de impressões digitais, material genético para exame de DNA e catalogação de pertences, como anéis, relógios, brincos e roupas. Os peritos trabalharão em um espaço montado pela Aeronáutica com mesas e contêineres frigoríficos.

 

As digitais serão enviadas à PF em Recife para cruzamento de dados e o material genético segue para laboratórios da PF em Brasília para exames de DNA, onde será confrontado com o material colhido dos familiares no Hotel Windsor, no Rio.

 

Ainda nesta terça-feira, os 16 corpos serão levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Recife, onde será concluída a identificação com exames antropológicos. A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informou que o trabalho no IML não relacionado às vítimas do voo 447 pode ser transferido para hospitais públicos se houver necessidade, para priorizar o serviço relacionado aos corpos recolhidos do mar.

 

O IML de Recife conta com 329 papiloscopistas, 105 médico legistas e 167 peritos, e recebeu o reforço de oito policiais federais especialistas na identificação de corpos. Desde domingo, 7, um cerco de policiais isolou a rua onde funciona o instituto, no bairro de Santo Amaro, impedindo que populares e jornalistas se aproximem do local.

 

Mais corpos

 

A Marinha e a Aeronáutica anunciaram na manhã desta terça-feira que mais 4 corpos foram resgatados e se juntam a outros oito na fragata Bosísio. Não há previsão de chegada a Fernando de Noronha desses 12 corpos. Eles foram encontrados a 440 quilômetros a Nordeste do arquipélago São Pedro e São Paulo, um pouco além das águas jurisdicionais brasileiras.

 

Os primeiros dezesseis corpos de vítimas do acidente com o Airbus da Air France foram resgatados no domingo, 7, uma semana após o desaparecimento da aeronave no trajeto Rio-Paris. Eles foram localizados a 69,5 km do ponto estimado da queda do avião e a 1.150 km de Recife. Outros oito corpos foram localizados na tarde de segunda-feira a 440 km do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, um pouco além das águas juridicionais brasileiras. Ao todo, 228 pessoas estavam a bordo do Voo 447.

 

Além dos corpos, foram resgatados mais destroços. Segundo o assessor de imprensa da Aeronáutica, tenente-coronel Henry Munhoz, em coletiva na noite de segunda-feira, não há previsão de quando as partes do avião serão levadas para Noronha. "Não vamos especificar qual peça do avião foi recolhida. Todos os questionamentos sobre as peças terão de ser feitas ao fabricante". Como a investigação das causas do acidente está a cargo dos franceses, os destroços serão encaminhados às autoridades do país, que poderão fazer o detalhamento das peças encontradas.

 

Texto atualizado às 12h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.