Dezesseis crianças sofrem intoxicação alimentar em creche

Dezesseis crianças, entre 4 e 6 anos, e uma funcionária da Creche Municipal José Lunardello e Emei Recanto da Esperança, de Santa Cruz da Esperança, cidade de apenas 1.800 habitantes na região de Ribeirão Preto, foram internadas ontem à tarde, em Cajuru, com intoxicação alimentar. Um menino de 5 anos, o primeiro atendido na Casa de Caridade São Vicente de Paulo, em Cajuru, teve parada respiratória, mas foi reanimado e passa bem. A suspeita é de que um pudim de pão tenha causado vômitos e diarréias nas crianças. A funcionária teve alta hoje e as crianças devem voltar para casa a partir de amanhã.O diretor municipal de Educação e Cultura de Santa Cruz da Esperança, Nêmer Guerzoni, informou que cerca de 50 das 120 crianças (até seis anos) que freqüentam a creche e a pré-escola ingeriram o alimento durante o almoço, às 10h30 de ontem: arroz, feijão, macarronada, carne e o pudim como sobremesa. No início da tarde, surgiram as primeiras vítimas, com vômitos e diarréias, e foram levadas ao Posto de Saúde da cidade. Em seguida, foram transferidas, de ambulância, para Cajuru. "Todas as famílias foram avisadas do incidente e tomamos as providências necessárias", diz Guerzoni. Devido ao incidente, a alimentação foi suspensa à tarde e durante todo o dia de hoje.O pediatra José Crivelente Pereira, de Cajuru, confirmou a intoxicação alimentar e enfatizou que foi importante o socorro imediato, pois o menino que teve parada respiratória poderia ter morrido se isso não ocorresse. Amostras dos alimentos foram coletadas para análise laboratorial, que confirmará qual alimento provocou a intoxicação. No hospital de Cajuru foram coletados materiais (sangue e fezes) das crianças e da funcionária da creche para análise.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.