Dia dos Pais foi tranqüilo em presídios

O Dia dos Pais foi tranqüilo nos presídios do Estado de São Paulo, apesar das ameaças de atentados do Primeiro Comando da Capital (PCC). Fora das prisões, entretanto, vários detentos que receberam liberdade para passar o feriado com a família voltaram à marginalidade. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, de sexta-feira, 11, até domingo, 13, 32 beneficiados voltaram para a cadeia mais cedo. Outros dois foram mortos na sexta-feira (11). Os delitos registrados incluíram desacato, porte de drogas, dirigir sem habilitação, tentativa de homicídio, tráfico de drogas e roubo.As visitas nos presídios transcorreram sem incidentes. No Centro de Detenção Provisória (CDP) de Ribeirão Preto, a 310 quilômetros de São Paulo, familiares entraram e saíram pacificamente. Luzinete Dias, de São João da Bela Vista, visitou o marido e pai de seus cinco filhos, preso por tráfico de drogas. "Hoje é Dia dos Pais e eu não poderia deixar de vir. O clima na penitenciária é de normalidade. Vim pra cá sem medo", disse Luzinete.O clima também foi de tranqüilidade nas nove penitenciárias do Vale do Paraíba. As visitas começaram cedo e do lado de fora havia muitas viaturas, além de um helicóptero Águia, que dava apoio à operação de vigilância."Para mim o dia foi de paz", disse a dona de casa Maria de Lourdes da Silva, de São José dos Campos, que visitou o filho no presídio P1 de Tremembé, a 134 quilômetros da capital. "Meu filho não quer saber dessas coisas de PCC, quer a liberdade de volta." Os agentes penitenciários confirmaram o relato das famílias. "Estávamos apreensivos, achávamos que ia acontecer de novo, mas correu tudo bem", disse um agente do Centro de Detenção Provisória de Taubaté.BombaPela segunda vez em menos de uma semana, uma ameaça de bomba parou neste domingo, 13, a Avenida Paulista, principal centro financeiro da capital paulista. Às 7 horas o comerciante Pedro Wanderlei encontrou um objeto suspeito numa estátua em frente ao Parque Trianon. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi acionado e removeu o artefato, sem detoná-lo. Não era uma bomba. Durante a operação, o local ficou isolado e a pista da avenida no sentido Paraíso chegou a ser interditada.Ampliada às 21h14

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.