Dia sem Carro: Chance para usar ônibus, metrô e até bicicleta

São Paulo poderá ter um dia diferente no trânsito nesta sexta-feira, 22. A cidade que conta com uma frota de 5,5 milhões de carros para 10,5 milhões de habitantes - um carro para cada duas pessoas - vai aderir pelo segundo ano consecutivo ao Dia Mundial sem Carro, evento que acontece anualmente sempre em 22 de setembro, mesma data em que se comemora o Dia Mundial do Pedestre. A Secretaria do Verde e Meio Ambiente aposta na iniciativa que pretende conscientizar as pessoas sobre o efeito nocivo dos poluentes urbanos, além de servir como incentivo à criação de políticas para melhorar o transporte público. O dia estará cheio de atividades. Já às 7h30, ciclistas se reúnem na Avenida Paulista, 2.500, e seguem em direção à Avenida Ipiranga. Outro evento que fará parte da programação é a "Vaga Viva" - sem carros, o estacionamento em frente ao Copan será ocupado somente por pessoas com atividades musicais, dança e cinema. Para encerrar o dia, será realizado um passeio ciclístico com saída do Copan a partir das 20 horas.A idéia é que as pessoas voluntariamente deixem seus carros em casa por ao menos um dia e optem pela utilização do transporte público ou até mesmo de meios não motorizados e portanto não causam prejuízos ao meio ambiente como a bicicleta. Há uma semana, a Prefeitura de São Paulo decretou do ´Dia sem Carro´ como data vitalícia. Sempre em 22 de setembro, as pessoas ´motorizadas´ serão convidadas a fazer o trajeto sem poluir o ambiente. Na sexta-feira, até o uso de carros oficiais será evitado, para servir de exemplo para todos os paulistanos.A expectativa é que funcionários dos órgãos municipais se comprometam com a iniciativa e desta forma sensibilizem grande parte da população. Os Secretários da Coordenação das Subprefeituras, de Participação Popular e do Verde e Meio Ambiente prometeram aderir. Em 2005, o prefeito José Serra foi um dos que participou de seus compromissos utilizando o transporte público. O evento, acontece desde 1997, quando foi iniciado na cidade de La Rochelle, na França. No ano seguinte, 35 cidades francesas se comprometeram com o movimento. A idéia acabou se espalhando para toda a União Européia e hoje reúne mais de mil cidades no mundo todo. O Brasil aderiu pela primeira vez em 2001 com 11 cidades. Já em 2005, pelo menos 44 cidades participaram, número que deve se repetir este ano. Segundo pesquisas do Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), os gases tóxicos emitidos pelos veículos interferem também na incidência de bebês prematuros. O monóxido de carbono, um dos principais poluentes, causa ainda problemas de saúde parecidos com os provocados pelo cigarro. 2005: Trânsito ficou complicado em São PauloApesar do bom exemplo de autoridades de São Paulo que aderiram ao evento em 2005 - o prefeito José Serra, o secretário de Coordenação de Subprefeituras, Walter Feldman, o secretário municipal de transportes, Frederico Bussinger, e claro, o secretário do Verde, Eduardo Jorge, entre outros, a adesão dos paulistanos foi tímida e os congestionamentos continuaram bem acima da média.Neste dia, às 9 horas da manhã foram registrados 87 quilômetros de lentidão nas ruas e avenidas da cidade para uma média de 75 km. Às 18h30, o congestionamento chegou a 130 km para uma média de 114.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.