Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Dificuldades das escolas de samba na pandemia se evidenciaram nos detalhes dos desfiles

Fantasias traziam fitas de resina reciclada colorida e tecidos estampados; tecnologia ficou pouco evidente

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2022 | 09h59

As dificuldades das escolas para se manter durante a pandemia ficaram perceptíveis em alguns detalhes dos desfiles deste ano em São Paulo. Escolas têm dito que grande parte dos materiais, comumente utilizados em alegorias e fantasias são importados da Ásia e encareceram durante a pandemia. 

Em parte das fantasias, os detalhes eram de fitas de materiais sintéticos como a resina reciclada colorida (utilizada em sacos de lixo, por exemplo) penduradas em grande quantidade (como tassels), a fim de trazer o efeito de tecidos e até penas. As penas estiveram pouco presente nas alas dos desfiles de São Paulo, com exceção especialmente de destaques mais luxuosos de carros e casais de mestre-sala e porta-bandeira. 

Da mesma forma, escolas apostaram em tecidos estampados em vez de detalhes costurados e bordados. A tecnologia não ficou tão evidente, com algumas exceções, como telões nos desfiles da Império de Casa Verde e Mancha Verde. 

'Foi horrível ficar dois anos sem carnaval'

Com ingressos esgotados, as arquibancadas estavam cheias, mas não lotadas. Entre os que foram assistir aos desfiles estava o empresário Samir Bonifácio, que frequenta carnaval há 35 de seus 42 anos. "Foi horrível ficar dois anos sem carnaval. O carnaval é a maior festa do País."

A técnica de enfermagem Elisabete de Souza Dias, de 54 anos, nascida no Bixiga e que estreou no Vai-Vai na ala das crianças, estava na arquibancada neste ano. Ela levava uma toalhinha da escola porque sabia que iria se emocionar. "Já estamos aqui, com o coração na mão."

Já o estudante Matheus Garrido, de 18 anos, estava trajado com as cores da Rosas de Ouro, que passou a frequentar por influência do pai, que joga no Arco Futebol Clube, ligado à escola de samba. Ele também estava ansioso pela passagem da Gaviões da Fiel e do Vai-Vai. "Quero muito ver."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.