Dilma ataca tucano e se cala sobre denúncias

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, preferiu criticar seu principal concorrente na eleição, José Serra (PSDB), a fazer comentários sobre a série de escândalos que afeta a Casa Civil, pasta que ocupou entre 2005 e 2010, e os Correios. Ao ser questionada sobre o assunto, a petista, que participou de rápido compromisso de campanha em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, alegou que não tinha condições de fazer uma avaliação, pois estava fora do governo e não tinha acesso a todas as informações.

Alfredo Junqueira / RIO, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

Informada de que o tucano havia classificado seu desconhecimento sobre as irregularidades na pasta como incapacidade ou cumplicidade, Dilma rebateu. Disse não acreditar que alguém saiba tudo o que está acontecendo na própria família e lembrou o caso de um integrante do PSDB de São Paulo que teria arrecadado R$ 4 milhões em doações, mas não teria repassado os recursos para o caixa de campanha.

"Também não acredito que alguém saiba tudo o que aconteceu no governo dele (Serra). Até porque eu tenho visto que o presidente da Dersa (vinculada à Secretaria de Transportes de São Paulo) - que ele nomeou - sumiu com R$ 4 milhões da campanha dele", afirmou Dilma, referindo-se ao suposto desvio de recursos pelo ex-presidente da autarquia Paulo Vieira de Souza - que nega a acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.