Dilma cai 4 pontos, Marina cresce 3 e Serra ganha expectativa de ir a 2º turno

Segundo Ibope, petista tem 51% dos votos válidos, tucano conta com 31% e candidata do PV soma 17%

Daniel Bramatti e José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2010 | 00h00

Nas vésperas da eleição, a petista Dilma Rousseff caiu quatro pontos porcentuais e tem 51% dos votos válidos, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. Esse resultado, de acordo com o instituto, não permite projetar se haverá ou não segundo turno, por causa da margem de erro de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Os eleitores perdidos por Dilma levaram Marina Silva (PV) a subir três pontos porcentuais em três dias, de 14% para 17%. José Serra (PSDB) oscilou dois pontos para cima, de 29% para 31%, e disputará com Dilma caso haja um segundo turno.

O instituto Datafolha também divulgou pesquisa que aponta indefinição em relação a uma possível vitória no primeiro turno. Dilma aparece com 50% dos votos válidos, contra 31% de Serra e 17% de Marina.

Haverá uma segunda rodada se a petista não alcançar hoje, pelo menos, 50% mais um dos votos válidos (excluídos brancos e nulos), ou seja, a maioria absoluta do eleitorado.

Em um eventual segundo turno, Dilma desponta como favorita. Segundo o Ibope, ela teria 58% dos votos válidos, contra 42% de Serra.

Em relação aos votos totais, a candidata do PT tem 47%, 18 pontos porcentuais a mais que o adversário tucano (29%). Marina aparece com 16% e os "nanicos", somados, 1%. Os indecisos são 4%, e 3% pretendem votar nulo ou em branco.

Geografia do voto. Dilma teve queda em três das quatro regiões pesquisadas pelo Ibope. No Sudeste, principal colégio eleitoral do País, foram cinco pontos a menos em três dias (de 46% para 41% dos votos totais). No Nordeste, seu principal reduto, ela passou de 63% para 58%. No Sul, a queda foi de quatro pontos (44% a 40%).

Na divisão do eleitorado por gênero, Dilma perdeu mais apoio entre as mulheres (de 49% para 44%). Entre os homens ela também caiu, de 53% para 50%, mas continuaria com mais votos do que a soma dos adversários (43%).

Houve redução da preferência pela petista em todas as faixas de renda. Entre os eleitores com renda mensal de até um salário mínimo, ela passou de 64% para 59% dos votos totais.

Na pesquisa espontânea, aquela em que os eleitores manifestam sua preferência antes de ler a lista de candidatos, a candidata governista lidera por 42% a 25%.

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 255 municípios de todo o País. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral com o número 33.252.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.