Dilma cerca PMDB pró-Serra em MS

Antes de comício, petista reuniu 50 dos 78 prefeitos do Estado em encontro preparado contra a vontade do governador, que apoia tucano

João Naves de Oliveira ESPECIAL PARA O ESTADO CAMPO GRANDE, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2010 | 00h00

Em companhia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) participou ontem de comício que reuniu cerca de 25 mil pessoas, segundo cálculo da Polícia Militar. Ela chegou a Campo Grande durante a tarde, quando se reuniu com 50 dos 78 prefeitos de Mato Grosso do Sul até o início da noite de ontem.

A reunião foi organizada pelo prefeito de Campo Grande, o peemedebista Nelson Trad Filho, contrariando o governador André Puccinelli (PMDB), que declarou apoio ao presidenciável José Serra (PSDB).

Um dos temas da conversa com os prefeitos foram repasses de verbas do governo federal para os setores de saúde e educação, conforme prevê a chamada Emenda 29. Na chegada, Dilma foi acompanhada por carreata com cerca de 200 carros, desde o aeroporto até o centro da cidade.

Hotel. Duas horas antes do comício, houve aglomeração diante do hotel. Na saída, o carro ocupado por Lula e Dilma foi cercado por uma multidão. Ambos desceram do veículo para conversar com as pessoas.

Despedida. Antes do comício em Campo Grande, o presidente Lula foi recebido por cerca de 2 mil alunos da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), onde entregou quatro prédios. As obras do câmpus começaram em 2005 e, segundo a instituição, já consumiram cerca de R$ 80 milhões.

Em tom de despedida, Lula afirmou que deixará o cargo como o homem mais feliz do mundo. "À meia-noite do dia 31 de dezembro, vou olhar para mim e dizer: não tenho curso superior, mas fui o presidente que mais abriu universidades no Brasil."

Lula falou da campanha de 1982, quando foi candidato ao governo de São Paulo. "Na época, sentia na pele os pobres com medo de votar em alguém que se parece com eles. Eu passava pelo centro da cidade, as pessoas apontavam o polegar para cima, sinalizando positivo. Quando passava por uma construção, os operários apontavam o dedão para baixo. Espero que meu mandato tenha desmistificado isso."

"Os americanos elegeram um negro como presidente e a Bolívia um indígena. São lições deixadas para nós. Lições que estão se acumulando desde a eleição de Nelson Mandela", afirmou.

Em Dourados, Lula inaugurou trecho de 27 quilômetros de duplicação da BR-163. Ele é o quarto presidente a visitar o município, desde a sua emancipação em 1935. O primeiro foi Juscelino Kubitschek em 1957, quando inaugurou essa mesma rodovia, ainda com pista de cascalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.