Dilma comemora fase ''disciplinada''

Petista entra em outra etapa da campanha feliz por ter aprendido a ouvir conselhos e ser paciente com interlocutores

João Domingos, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2010 | 00h00

A candidata petista Dilma Rousseff entra na nova fase de campanha festejando uma conquista: ter-se transformado em uma "candidata disciplinada", que aprendeu a ouvir conselheiros e contar até dez antes de dar uma resposta impaciente. O grande teste foi a entrevista no programa Roda Viva, da TV Cultura, na semana passada, em que fugia ao destempero com um gentil "Permita-me discordar?"

A partir de agora, sob direção do marqueteiro João Santana, a candidata começa a produzir cenas para montagem dos programas de rádio e TV. Como ela tem mais de 10 minutos, preencher os programas significa muito trabalho. Um dos pontos fortes, já no início, serão imagens tomadas nos seus encontros europeus com o presidente francês Nicolas Sarkozy, o primeiro-ministro espanhol José Luiz Zapatero e Durão Barroso, da União Europeia. "Ela tomou gosto pela campanha, está feliz", garante o secretário-geral do PT, José Eduardo Martins Cardozo. "E a campanha vive um momento de harmonia, sem desentendimentos."

Alto astral. Há três meses, tudo parecia dar errado. A candidata cometia seguidas gafes e dava espaço à oposição para atacá-la. Como em sua visita ao túmulo de Tancredo Neves, em São João del Rey, no início de abril.

Por ter dito, então, que o presidente Lula havia realizado o sonho do político mineiro, de um Brasil de menos desigualdades, foi cobrada pela oposição, para a qual ela teria profanado o túmulo de Tancredo ? afinal, o PT tinha negado o voto ao candidato das oposições no Colégio Eleitoral de 1985 ? e três petistas que o apoiaram foram expulsos.

Pessoas próximas a Dilma dizem que ela "vive uma fase de alto astral, achando-se bem, elegante e bonita". O bom momento deve-se, em boa parte, à jornalista Maria Olga Curado, que cuida de sua imagem e a treina para dar, à mídia, respostas mais curtas e menos explicativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.