Dilma diz que acusação dos tucanos é ''ignomínia''

Pré-candidata do PT afirma que está sendo ''claramente injustiçada'' ao ser apontada como [br]responsável por iniciativa

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2010 | 00h00

A pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, afirmou ontem que está sendo "claramente injustiçada" ao ser acusada de ter produzido ou encomendado um dossiê contra seu principal adversário nas eleições presidenciais, o tucano Jose Serra.

Para ela, a denúncia é uma "falsidade e ignomínia", além de não ter nenhum fundamento. "Tais documentos, se existem, não foram produzidos por nós", garantiu ontem a presidenciável, momentos antes de participar de encontro da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Dilma lamentou que o "nível" da campanha tenha chegado a esse tipo de troca de acusações. "Eu estou disposta a fazer um debate de alto nível e não a ficar respondendo esse tipo de acusação infundada", afirmou.

A ex-ministra elogiou a decisão do presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, de interpelar judicialmente o pré-candidato tucano. "Foi a atitude cabível nesse caso." Como ontem foi feriado forense em São Paulo, o PT só vai dar entrada na Justiça na segunda-feira.

Dutra informou que, se Serra confirmar a acusação, o PT vai processá-lo por danos morais. Cauteloso, ele evitou dar continuidade à insinuação que fez em seu Twitter: que o dossiê teria sido produzido dentro do próprio PSDB. "Ao contrário dos adversários, eu não faço ilações sobre coisas das quais não tenho certeza", disse o petista.

Depois de passar o feriado descansando, Dilma Rousseff foi ovacionada ontem em encontro dos sindicalistas da FUP, federação ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Sob aplausos e gritos de "Dilma presidente", a ex-ministra disse que o governo anterior pretendia privatizar a Petrobrás. Mesmo discurso adotado por Dutra, que presidiu a estatal entre 2003 e 2005.

"Me sinto feliz quando estou no meio dos petroleiros. Sei da luta de todos quando tentaram privatizar a Petrobrás", discursou Dilma. Temos certeza que o povo brasileiro não vai permitir retrocessos", afirmou Dutra.

Em ritmo de campanha, a ex-ministra posou para fotos com as delegações de todos os Estados, vestiu um colete da FUP e viu todos os dirigentes sindicais declararem voto a ela. "O seu projeto é o mais identificado com os interesses da classe trabalhadora brasileira", afirmou José Antonio de Moraes, coordenador-geral da FUP.

No discurso de 26 minutos, a pré-candidata citou uma dezena de vezes o nome do presidente Lula e lembrou que foi o atual governo que reergueu a indústria naval brasileira. "Tudo que pode ser produzido no Brasil deve ser produzido no Brasil com emprego para os brasileiros."

No telhado

Pivô do escândalo do dossiê contra Serra, o consultor e jornalista Luiz Lanzetta corre o risco de perder o contrato para fazer a campanha da petista Dilma Rousseff, afirma José Eduardo Dutra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.