Dilma diz que governo não apoiará nem protegerá ninguém

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, afirmou nesta quinta-feira que o governo não dará apoio ou proteção aos envolvidos no dossiê Vedoin. "Nem siglas partidárias, nem hierarquias ou cargos vão impedir a investigação. É fundamental ao País que tudo isso seja apurado doa a quem doer", disse a ministra em Nova York. Dilma ainda classificou como "estranhas" as críticas que têm sido feitas à Policia Federal e ao ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos.A ministra ponderou que a apuração do caso é importante para a manutenção da democracia no País. "Nosso papel é afastar todos os suspeitos, sem fazer uma condenação prévia das pessoas, mas afastando para poder apurar. É fundamental que se faça de forma séria para que a Justiça possa fazer seu ritual, para que se preserve a situação democrática do Pais".Ela ressaltou que "o compromisso do presidente Lula e a determinação do ministro Marcio Thomaz Bastos é para que a Polícia Federal faça todas as investigações. Aliás é muito estranho aqueles que agridem a Polícia Federal e o ministro Marcio Thomaz Bastos acusando-os de não estarem tendo uma posição adequada. É estranho pois quem prendeu e desmantelou esse esquema foi a Polícia Federal", avaliou.Questionada sobre como se sentia com a possibilidade de a negociação do dossiê ter sido feita tão próxima a ela, diante das suspeitas que recaem sobre o ex-assessor e segurança do presidente Lula (Freud Godoy), a ministra afirmou que até onde tem conhecimento "o assessor Godoy não tem nenhuma relação com esse processo. O Berzoini (Ricardo Berzoini) reconheceu que foi avisado", reconheceu. No entanto, ela ponderou que "nem ao governo, nem ao PT pode interessar este tipo de prática. Não é este o governo, o País, nem o partido que a gente quer construir."EnergiaA ministra Roussef fez uma apresentação sobre energia renovável em um painel no evento Clinton Global Initiative e, na seqüência, teve um encontro no Federal Reserve Bank de Nova York, um encontro com Jeffrey Sacks e com a subsecretaria de Estado dos EUA para Assuntos Econômicos, Josette Sheeran Shiner. Ela classificou os encontros como "proveitosos, pois é bom ver como o Brasil esta sendo reconhecido fora".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.