Dilma e Serra se acusam por panfletos

Candidata 'lamenta' ligação de gráfica com tucanos, enquanto presidenciável do PSDB diz que petistas querem procurar 'pelo em ovo'

Felipe Werneck / RIO Gustavo Uribe / AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2010 | 00h00

A candidata Dilma Rousseff (PT) disse ser "lamentável" a informação de que a impressão de panfleto, apreendido pela Polícia Federal (PF), ocorreu em gráfica que pertence à irmã de um dos coordenadores da campanha de José Serra (PSDB). O presidenciável tucano afirmou que o panfleto foi encomendado por diocese em transação "lícita".

"Ela vai ser investigada. Se isso se caracterizar, as ligações com o PSDB, acho lamentável", declarou Dilma, ao comentar a apreensão, feita por ordem da Justiça Eleitoral, de cerca de 1 milhão de panfletos que pregam voto contra o PT, relacionando o partido à defesa do aborto. Em petição ao TSE, a legenda diz que uma das sócias da Editora Gráfica Pana Ltda. é Arlety Satiko Kobayashi, irmã de Sérgio Kobayashi, coordenador de infraestrutura da campanha de Serra.

"Houve nessa campanha um processo, que a gente deve repudiar, de materiais que não têm autor, com conteúdo que instaura o ódio. Acho um clima que é contrário à nossa cultura, de tolerância e respeito", acrescentou a candidata petista em rápida entrevista, no Rio.

"Irrelevante". Serra, por sua vez, considerou "irrelevante" a informação de que a irmã de Kobayashi é sócia da gráfica. O tucano afirmou que o panfleto foi encomendado pela Diocese de Guarulhos em uma transação comercial "completamente lícita".

"O fato da gráfica ser ou não ser de alguém que trabalha na campanha é inteiramente irrelevante", disse o candidato, em evento promovido em São Paulo pela Associação Médica Brasileira para comemorar o Dia do Médico, celebrado ontem.

Serra negou conhecer o conteúdo do panfleto. "A diocese tem pleno direito de se manifestar sobre questões que considera relevantes", afirmou. "Isso não tem nada a ver com a campanha." Serra alegou que, entre as igrejas, também existem mobilizações semelhantes favoráveis a Dilma.

O tucano classificou de tentativa de procurar "pelo em casca de ovo" a iniciativa do PT de ingressar no TSE com pedido de investigação sobre a impressão dos panfletos. "O PT tem muita coisa errada, muitos esquemas em nível de governo, de irregularidades", afirmou. "O que eles querem é fazer a nivelação."

Para o candidato, o fato de o PT ter entrado na Justiça Eleitoral é tentativa de se criar um factoide. "Para que vocês (jornalistas) repercutam depois", afirmou. O tucano disse não acreditar que o episódio possa prejudicá-lo nas urnas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.