Dilma enxuga Autoridade Olímpica

A presidente Dilma Rousseff decidiu enxugar a estrutura da Autoridade Pública Olímpica (APO), entidade que vai planejar os jogos e supervisionar as obras da Olimpíada de 2016. A medida provisória que institui a APO será votada hoje na Câmara com a previsão de criação de 171 cargos - na versão original eram 484.

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2011 | 00h00

"Basicamente, haverá um enxugamento da estrutura da APO", resumiu o relator da MP, deputado Daniel Almeida (PC do B-BA). Além da diminuição do número de cargos, o conselho de governança também sofrerá redução - de 7 para 11 integrantes.

Pela nova proposta, as obras para a Olimpíada não serão mais tocadas pela empresa Brasil 2016, criada para executar os estádios para os jogos e toda a infraestrutura. A responsabilidade pelas obras será dividida agora pela União, pelo Estado do Rio e pela cidade. "Vamos tirar da MP a atribuição das obras pela Brasil 2016", disse Almeida.

O comando da Brasil 2016 era reivindicado pelo PC do B. A estatal é subordinada ao ministro do Esporte, Orlando Silva. Com a nova redação, Silva e o PC do B perderam poderes. O chefe da APO, que deverá ser o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, ficará encarregado de fazer a interlocução com o Comitê Olímpico Internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.