Dilma escreve ao papa por trégua com a Igreja

Em carta que Gilberto Carvalho leva a Roma, ela pede 'as melhores relações possíveis'

Vera Rosa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2010 | 00h00

Depois de enfrentar uma campanha dominada pela polêmica do aborto em dois turnos, Dilma Rousseff fez mais um gesto para se aproximar da Igreja Católica, agora como presidente eleita. Em tom bastante cordial, Dilma enviou uma carta ao papa Bento XVI, na qual pede sua bênção para o novo governo e assegura que deseja manter amplo diálogo com o Vaticano.

O emissário da correspondência será Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que embarcou ontem à noite para Roma. Carvalho vai se encontrar na segunda-feira com o secretário da Santa Sé para Relações com os Estados, Dominique Mamberti, que receberá a mensagem endereçada ao papa.

Na carta, Dilma não mexe no vespeiro do aborto, mas promete se dedicar, nos quatro anos de seu mandato, à erradicação da miséria e à redução da desigualdade social. "A intenção dela é fazer uma saudação ao papa e garantir que as relações do próximo governo com a Igreja continuarão sendo as melhores possíveis", disse Carvalho, que vai representar Lula, no fim de semana, na cerimônia em que o arcebispo de Aparecida (SP), d. Raymundo Damasceno, será nomeado cardeal.

A três dias do segundo turno, Bento XVI condenou a descriminalização do aborto e da eutanásia e recomendou aos bispos brasileiros que emitissem "juízo moral" sobre essas questões, mesmo em "matérias políticas". Embora não tenha feito referência direta à eleição, o papa pediu aos bispos que orientassem os fiéis a usar o voto para a "promoção do bem comum".

Antes disso, sob pressão de religiosos, Dilma lançou uma carta-compromisso dirigida aos cristãos, em que destacava ser contrária ao aborto. Na prática, foi a segunda versão de um texto preparado por um grupo de católicos e evangélicos. Dilma se recusou a assinar o primeiro rascunho, que condenava o casamento entre homossexuais.

A polêmica relativa à interrupção da gravidez foi motivo de vários embates entre Dilma e o candidato do PSDB, José Serra, e dividiu o comitê petista. Serra bateu na tecla de que a adversária defendera o aborto, em 2007, e mudara o discurso.

A então candidata do PT disse que sempre tratou o assunto como "questão de saúde pública". Pela lei, o aborto é permitido somente em casos de estupro e risco de morte para a mãe.

"Não acredito que numa campanha entre dois homens esses temas teriam tanta relevância", afirmou Dilma ao Estado, às vésperas do segundo turno. "Pôr no centro da disputa a questão religiosa não foi bom para o Brasil. Isso foi dose pra mamute na campanha, viu!", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.