Dilma faz balanço em tom conciliador com mídia

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, encerrou o primeiro turno da eleição ontem num tom conciliador com a imprensa, destoando do presidente Lula e de dirigentes petistas que, na reta final, acusaram a mídia de ser autoritária e parcial.

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2010 | 00h00

Antes de participar da última carreata ao lado de Lula, em São Bernardo do Campo, Dilma fez um balanço do processo eleitoral e disse que "as mentiras sorrateiras do baixo mundo da política" marcaram o pior momento.

"Vocês (jornalistas) permitem que a gente tenha no Brasil uma imprensa que faz críticas, que é múltipla, mas que contribui na medida em que exerce o seu papel. Jamais reclamei de nenhum jornalista ao longo desta campanha e na minha vida. Prefiro as mil vozes críticas da imprensa ao silêncio tumular da ditadura. Quem viveu sabe o preço que se paga numa ditadura", disse a petista, presa no regime militar.

Dilma admitiu o cansaço físico ao fim da campanha. "É muito intensa", disse. "A pior parte são as mentiras sorrateiras. Nesta campanha, em alguns momentos, houve mentiras sorrateiras que saíram lá do fundo, do baixo mundo da política e que não tem, inclusive, a coragem de aparecer a público."

A candidata também reivindicou o direito de fazer críticas à imprensa. "A gente consegue conviver com a crítica, sem nos silenciarmos. É normal que a gente responda, é normal que a gente também faça críticas."

Dilma evitou fazer projeções sobre o resultado das eleições, mas, falou como eleita. "No meu período nós temos um grande desafio que é erradicar a miséria. Tenho atrás de mim todo o legado que me permite dizer que eu vou fazer." Hoje, ela aguarda a apuração em Brasília, com Lula. Dilma negou que o PT já prepare a festa da vitória na capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.