Dilma faz reunião para evitar caos aéreo no carnaval

A ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, convocou nesta terça-feira os responsáveis pela aviação civil para uma reunião a fim de conhecer o plano de contingência estabelecido pelos diversos segmentos do governo para evitar um novo caos nos aeroportos do País durante o feriado de carnaval. Na reunião, estavam presentes o ministro da Defesa, Waldir Pires, a diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, o Comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos Bueno, e o presidente da Infraero, José Carlos Pereira. O temor do Planalto é que os inúmeros boatos espalhados pelo País a fora, de que os controladores poderiam fazer contenção de fluxo de vôos, ou uma espécie de operação-padrão ou que as companhias aéreas estejam com reservas a mais do que a capacidade de transporte de passageiros. Tanto a Anac, responsável pela fiscalização das empresas aéreas, quanto o Comando da Aeronáutica, que cuida do controle do tráfego aéreo, asseguraram à ministra, depois de apresentarem as estratégias montadas, que o carnaval vai ser tranqüilo. Preocupações A maior preocupação do Palácio do Planalto é com a capacidade das companhias de aviação e a ministra Dilma fez muitas perguntas sobre isso, sendo tranqüilizada pela Anac. Há informações de que, a exemplo do que aconteceu no Natal, empresas tenham vendido mais passagens do que lugares disponíveis nos aviões, o chamado overbooking, e que tenham promovido muitos vôos charters, que reduzem a capacidade de transportar passageiros nas linhas regulares. Denise Abreu, diretora da Anac, que participou da elaboração do plano de contingência do governo e apresentou as medidas anunciadas na semana passada, assegurou que todos os cuidados foram tomados e que os passageiros não vão encontrar problemas para viajar durante o Carnaval. Empresas A diretora da Anac informou, por exemplo, que a TAM, que provocou os maiores problemas no Natal, disse que vai deixar quatro aviões reserva com tripulação, para ser usado, caso haja algum problema. No caso das demais companhias, não haveria necessidade disso, porque elas não apresentariam nenhum problema desta natureza. Só que os boatos, desta vez, são que a Gol é que poderia ter problemas neste Carnaval. Nesta terça-feira, o vice-presidente de Marketing e Serviços da empresa, Tarcísio Gargioni, informou que a Gol não colocará vôos extras durante o período de Carnaval. O executivo ressaltou que a empresa deixará dois aviões de reserva, com o objetivo de minimizar possíveis atrasos por conta de problemas no sistema aeroportuário. Uma das aeronaves ficará no aeroporto de Galeão, no Rio de Janeiro e o outro no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Segundo Gargioni, toda a equipe de terra (que trabalha nos aeroportos) estará de plantão no feriado para atender ao aumento da demanda nesse período. Segundo da Anac, normalmente há um aumento entre 15% e 20% no volume de passageiros no período. Gargioni afirmou ainda que a crise nos aeroportos não reduziu a procura de passagens para o Carnaval. "Não estamos sentindo uma explosão (de demanda), mas também não estamos (com vendas) abaixo da média registrada em anos anteriores", afirmou. Mau tempo Há ainda a preocupação com o mau tempo, que tem perseguido o aeroporto de Congonhas, o mais movimentado do País e responsável pela maior parte das conexões entre vôos. Além dos problemas que Congonhas está enfrentando com as chuvas nos últimos dias e têm provocado atraso nos vôos, os aeroportos de Guarulhos, por causa dos vôos internacionais, o de Salvador, Recife e Rio de Janeiro são os que merecerão maior atenção por parte do governo, já que serão os principais destinos do Carnaval. Ao mesmo tempo, para tentar acalmar os controladores do tráfego aéreo, que estão aguardando um aceno do governo em relação à proposta de desmilitarização da área, o Ministério da Defesa decidiu prorrogar a vigência do Grupo de Trabalho, criado em meados de novembro, para discutir os problemas do setor. A portaria com a prorrogação por mais 30 dias de trabalho, será publicada no Diário Oficial de quarta-feira, 14. Na verdade, a prorrogação não é para que nenhum outro estudo seja realizado, mas sim para dar mais tempo à Casa Civil e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para decidir sobre o assunto e ouvir novas opiniões. O relatório do grupo de trabalho, entregue à Casa Civil, fala em desmilitarização do setor. Mas, nele, consta a ressalva da Aeronáutica contra esta intenção. No governo, há divisões sobre o assunto e não há um consenso de que o caminho seja a desmilitarização como querem os controladores de vôo.

Agencia Estado,

13 Fevereiro 2007 | 19h55

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.