Dilma nega que Lula irá escolher sua equipe

Em evento na quinta-feira, presidente disse que Miguel Rossetto e Paulo Okamoto são importantes para o que chamou de 'próximo período'

JAIR RATTNER e JOÃO DOMINGOS, ENVIADOS ESPECIAIS, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2010 | 00h00

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, afirmou ontem que são especulações as notícias de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já está escolhendo nomes para sua equipe ministerial, caso ela seja eleita. "Lula é respeitoso, não faz isso com ninguém. Tenho certeza de que será respeitoso pelo meu governo, caso eu seja eleita", disse.

Durante seu discurso no lançamento do Plano Safra de Agricultura Familiar, na quinta-feira, Lula disse que Miguel Rossetto continuará à frente da Petrobrás Biocombustível e que Miguel Okamoto, atual presidente do Sebrae, deve ir para a área da agricultura familiar. O presidente avaliou que os dois petistas são importantes para o que chamou de "próximo período".

Dilma disse, no entanto, que sempre irá consultar Lula. "Mas isso não significa que no meu governo, caso eu seja eleita, não haverá diferenças. Haverá. Por isso, adotamos a frase "o Brasil seguirá mudando", para utilizar na campanha." As afirmações foram feitas logo após um encontro com o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates.

A petista disse que tratou da banda larga com o primeiro-ministro. E que ficou impressionada como o fato de Portugal já estar chegando à casa dos 100 megabytes, enquanto no Brasil ainda se planeja uma internet pública de 1 mega. Ela destacou que, se eleita, vai investir na educação. "Precisamos de uma educação de qualidade, porque temos problemas na formação de mão de obra qualificada. É preciso fazer com que ser professor seja uma honra para o profissional."

Tour. A petista passou uma semana na Europa. Nesse périplo, conversou com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, com o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Zapatero, e com José Sócrates.

Ontem, Dilma também foi ao velório do escritor português e Prêmio Nobel de Literatura, José Saramago, na Praça do Município, que morreu na sexta-feira. No final da tarde, foi à Rua Luiz Soriano, no Bairro Alto, participar da cerimônia de entrega das chaves da cidade de Lisboa pelo prefeito, Antonio Costa, à Casa do Brasil em Lisboa.

De volta ao Brasil, hoje, deve trazer na bagagem, horas de gravação de suas atividades na Europa, feitas pelo cinegrafista José Garcia. Todas serão usadas na campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.