Dilma quer perfil técnico para a Saúde

Presidente eleita almoçou com médicos e especialistas do setor após se submeter a bateria de exames no hospital sírio-libanês

Gustavo Uribe / AGÊNCIA ESTADO e Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2010 | 00h00

Em almoço com 26 médicos na tarde de ontem, em São Paulo, a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) disse que "não abre mão" de um ministro com perfil técnico para ocupar a pasta da Saúde, segundo o relato de alguns convidados.

O encontro foi promovido pelo cardiologista Roberto Kalil Filho em sua residência, nos Jardins, área nobre da capital paulista, depois que Dilma se submeteu a um check-up no hospital Sírio-Libanês. Kalil Filho, médico da petista, negou ter sido convidado para o ministério.

Segundo o anfitrião, a presença da presidente eleita no evento é a resposta a uma promessa que ela fez ainda quando candidata. No encontro, afirmou Kalil Filho, não houve discussão de temas políticos.

De acordo com relatos dos convidados, a presidente eleita debateu, acompanhada do deputado Antonio Palocci (PT-SP), coordenador de sua equipe de transição, formas de financiamento e gestão da saúde pública.

Dilma busca uma maneira de repor recursos para a área, já que, com o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF), o governo federal perdeu uma receita anual de R$ 40 bilhões. Uma das ideias em estudo é criar um novo imposto, como a Contribuição Social para a Saúde (CSS).

O almoço com a classe médica é a segunda reunião temática de Dilma no período da transição. A primeira, realizada na semana passada, teve como eixo a erradicação da miséria no País.

Durante o almoço foram servidos camarão à provençal, bacalhau, cordeiro e sericaia, um tradicional doce português. Os convidados ressaltaram a informalidade da reunião e disseram que os assuntos foram tratados genericamente.

Por volta das 16 horas, Dilma e Palocci deixaram a residência de Kalil Filho sem falar com a imprensa e, em seguida, partiram para Brasília.

Entre os presentes à mesa estavam o presidente da Agência Nacional de Saúde, Maurício Ceschin, o presidente da Associação Médica Brasileira, José Luiz Gomes do Amaral, o presidente do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo, Noedir Stolf, e a secretária paulista de Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Battistella.

Exames. Ontem pela manhã Dilma passou por exames de rotina no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

A presidente eleita permaneceu na unidade médica por cerca de duas horas, segundo a assessoria do hospital, e aproveitou para visitar o vice-presidente José Alencar, que fora internado na última quinta-feira e que havia realizado uma transfusão de sangue. Em seguida, ela partiu para o almoço na residência de Kalil Filho.

Este foi o primeiro check-up de Dilma após ter sido eleita presidente. Segundo boletim divulgado pela assessoria de imprensa do hospital, os exames mostraram resultados "satisfatórios".

O documento é assinado por Kalil Filho, pelo oncologista Paulo Hoff e pela hematologista Yana Novis. A equipe é a mesma que tratou o câncer linfático da presidente eleita, descoberto ainda antes do início da campanha eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.