Dilma se reúne com amigas da época da ditadura

Em uma sala privativa do Palácio do Itamaraty, a presidente Dilma Rousseff teve o encontro mais emocionante do dia da posse: 11 guerrilheiras que ficaram encarceradas com ela no Presídio Tiradentes, nos anos 70, esperavam para cumprimentá-la.

Tânia Monteiro e Lisandra Paraguassu, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2011 | 00h00

Lúcia Coelho, de 73 anos, a mais velha das ex-colegas de cela, contou que Dilma lembrou de todas, inclusive dos apelidos. "A presidente nos disse: "Estamos juntas outra vez. Nunca pensei que isso fosse acontecer"."

Outros colegas do tempo da guerrilha esperavam por Dilma no coquetel. Eram os antigos companheiros do então grupo VAR-Palmares - incluindo seu primeiro marido, Cláudio Galeno de Magalhães Linhares.

Em seus dois discursos ontem, a presidente fez questão de lembrar os colegas de luta. "Aos que me ajudaram até aqui, minha comovida homenagem e minha eterna lembrança." No encontro, Dilma chorou. Assim como seus ex-companheiros.

A presidente chegou ao coquetel por volta das 19h30 e passou boa parte da uma hora e meia em que esteve no Itamaraty ao lado das guerrilheiras. Ficou pouco tempo entre seus outros 2 mil convidados, incluindo vários chefes de Estado.

Com o mesmo vestido da posse e ainda com a faixa presidencial - que usou durante todo o tempo -, foi muito aplaudida enquanto subia a escada para o Salão Duas Épocas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.