Dilma segura Mantega na Fazenda para reforçar 'desenvolvimentismo'

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, continuará no comando da economia no governo Dilma Rousseff, que toma posse no próximo dia 1º de janeiro. A decisão ainda não oficializada pela presidente eleita, mas o convite foi feito durante reunião de quase duas horas que os dois mantiveram anteontem na Granja do Torto. Em conversas reservadas, ele é chamado por Dilma de "Guidinho".

João Domingos, Eugênia Lopes BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2010 | 00h00

A rigor, a reunião de ontem já serviu para discutir assuntos da administração econômica e tratar de problemas relacionados com o Orçamento, que está em processo de debate no Congresso. Na prática, como antecipou o Estado na sexta-feira, quando os dois viajaram para a Cúpula do G-20, em Seul, a decisão de manter Mantega no comando da Fazenda já estava tomada.

Apesar de a manutenção de Mantega no cargo atender a uma sugestão feita de maneira explícita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o perfil do ministro atende ao interesse de Dilma em reforçar no seu governo o que, nos debates entre economistas, costuma ser rotulado de "postura desenvolvimentista". Em síntese, isso significa que o rigor fiscal não pode comprometer o crescimento econômico. A ideia é não atentar contra controle da inflação, mas não transformar os apertos fiscais em solução para todos os problemas da administração econômica.

Entre EUA e China. No bastidor, ao dizer com todas as letras que os países emergentes estavam diante de uma "guerra cambial" travada entre Estados Unidos e China, Mantega entrou como líder no debate econômico mundial e agradou a Lula e a Dilma. A ponto de o presidente, na cúpula do G-20, ter agendado tarefas para Mantega para além do seu governo - como a próxima reunião de ministros de Finanças do G-20, que acontecerá em 2011, já no governo Dilma. Apesar de a decisão sobre Mantega já estar tomada, Dilma não fará o anúncio oficial até que defina o nome para presidir o Banco Central - o que deve ocorrer nos próximos dias.

Recorde. A ideia é anunciar em bloco a equipe econômica, devendo completar todo o ministério até o diz 15 de dezembro. Com o anúncio, Mantega poderá bater recorde de permanência de Pedro Malan, ministro da Fazenda que ficou oito anos no posto, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Tendo assumido em março de 2006, Mantega poderá completar nove anos, se ficar até o final do mandato de Dilma, em 2014.

Em conversa com interlocutores, em Seul, Dilma disse estar convencida de que Mantega tem o controle das informações sobre a economia e de que ele está no rumo da política que deseja imprimir ao setor, com o Estado fazendo o papel de indutor do crescimento econômico.

A manutenção de Mantega, no entanto, não garante a permanência de um de seus principais auxiliares, o titular da Receita Federal. Desgastado com a quebra de sigilo fiscal de familiares do ex-governador José Serra e do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas, Otacílio Cartaxo não deve ser mantido.

MOMENTOS DA APROXIMAÇÃO DE DILMA COM MANTEGA

Redução do IPI

Na crise internacional, a então ministra Dilma apoiou postura "desenvolvimentista" do ministro ao anunciar a redução do IPI para carros e linha branca de eletrodomésticos

IOF para estrangeiros

Para conter a valorização do real por causa da excessiva entrada de dólares depois da capitalização da Petrobrás, Mantega aumentou o IOF para investimentos estrangeiros para 6%

Pressão de Lula

Contente com o resultado obtido com o aumento do IOF para as aplicações vindas do estrangeiro, Lula passou a pressionar Dilma a manter o ministro da Fazenda no próximo governo

Viagem a Seul

Numa demonstração de boa vontade com a indicação, Dilma transformou Mantega em seu fiel escudeiro na viagem a Seul, para o G-20. Mantega não a largou um instante

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.