Dilma ultrapassa Serra no Ibope

Candidata apoiada por Lula aparece na liderança isolada pela primeira vez, com 40% das intenções de voto contra 35% do tucano; petista avançou no Sudeste e no Sul, além de eliminar a desvantagem em relação ao principal rival no eleitorado feminino

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2010 | 00h00

A petista Dilma Rousseff ultrapassou o tucano José Serra e agora lidera a corrida presidencial por 40% a 35%, segundo pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em um eventual segundo turno entre os dois, Dilma venceria por 45% a 38%.

 

Veja Também

Popularização ajuda Dilma em pesquisa, diz Vaccarezza

Presidente do PT-SP alerta que Dilma ainda não ganhou eleição

CNI/Ibope: 73% dos eleitores sabem que Dilma é a candidata de Lula

Para presidente do PSDB, resultado do Ibope não é 'consistente'

Serra promete que nome de vice saia até domingo

Em relação à pesquisa Ibope/Estado/TV Globo feita no início de junho, Dilma subiu 3 pontos porcentuais e Serra teve uma oscilação negativa de 2 pontos. Marina Silva, do PV, manteve o índice de 9%.

O principal avanço da petista ocorreu na Região Sudeste, onde passou de uma desvantagem de 9 pontos para uma situação de empate técnico (37% para Dilma e 36% para Serra). Agora também há empate entre os dois principais adversários entre o eleitorado feminino (em 37%). É a primeira pesquisa em que Dilma não aparece em desvantagem nesse segmento.

O tucano foi ultrapassado em um período em que desfrutou de alto grau de exposição na mídia. A sondagem CNI/Ibope começou a ser feita na última sexta-feira, dia seguinte à exibição do programa partidário do PSDB, que teve Serra como estrela no horário nobre da TV. No dia 10, o tucano também foi destaque no programa nacional do PPS.

Líderes do PSDB tinham a expectativa de que a propaganda partidária fizesse por Serra o mesmo que fez por Dilma ? a petista subiu ao aparecer no programa do PT ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para Márcia Cavallari, diretora executiva do Ibope, o impacto do programa tucano pode ter sido menor porque as atenções dos brasileiros se concentram na Copa do Mundo. O nível de informação sobre os candidatos também tem de ser levado em conta, segundo ela. "O programa do PT na TV teve efeito maior porque Dilma não é tão conhecida. E Serra todo mundo conhece."

Segundo a pesquisa, 63% dos eleitores conhecem Serra "bem" ou "mais ou menos". Apenas 45% dizem o mesmo em relação a Dilma.

A diretora do Ibope destaca ainda que a candidata petista não saiu dos telejornais recentemente ? ela ganhou exposição ao se reunir com líderes políticos em um roteiro pela Europa.

Cabo eleitoral. Os dados da pesquisa indicam que a associação a Lula pode ter impulsionado a representante do PT. O porcentual de eleitores que sabem que Dilma é a candidata apoiada pelo presidente subiu de 58% para 73% desde março.

No mesmo período, diminuiu de 53% para 48% a parcela de eleitores que prefere votar no nome apoiado por Lula. Os que querem votar em um candidato de oposição são 10%, e 33% não levarão em conta a posição do presidente.

Para Rafael Lucchesi, diretor de Operações da CNI, o aumento da percepção de que Dilma é a candidata de Lula é um dos fatores que explicam o crescimento da petista. Ele citou ainda outros três pontos: queda no índice de rejeição, maior exposição na mídia e o bom desempenho da economia.

A parcela de eleitores que não votaria em Dilma de jeito nenhum é de 23%, segundo a pesquisa. O índice de rejeição a Serra ficou em 30%.

Na divisão do eleitorado por regiões, a ex-ministra da Casa Civil lidera no Nordeste (47% a 30%) e no Norte/Centro-Oeste (40% a 34%). No Sul, Serra lidera, com 42%, mas sua vantagem caiu de 10 para 6 pontos porcentuais desde o início de junho. No Sudeste, o tucano caiu de 41% para 36%, e a petista subiu de 33% para 37%.

A segmentação por renda mostra que Dilma colhe seus melhores índices entre o eleitorado mais pobre ? tem de 40% a 42% entre os que têm renda de até cinco salários mínimos, e 27% entre os que recebem mais de dez salários. Com Serra acontece o oposto: ele tem 43% na parcela com renda mais alta e de 34% a 36% nas faixas inferiores a cinco salários mínimos.

Todos os dados se referem ao cenário em que apenas os nomes dos três principais candidatos foram apresentados aos entrevistados. Quando representantes de partidos inexpressivos ? os chamados "nanicos" ? são incluídos, Dilma lidera por 38% a 32%.

Na pesquisa espontânea ? modalidade em que os entrevistados manifestam sua preferência antes de ver a lista de candidatos ?, Dilma passou de 19% para 22% desde o início de junho. Serra subiu de 12% para 16%. A intenção de voto em Lula ? que não é candidato ? recuou de 12% para 9%.

A avaliação positiva do governo se manteve estável ? 75% o consideram ótimo ou bom. O desempenho pessoal do presidente é aprovado por 85%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.